Comportamento

Será? Pesquisadores de Harvard sugerem uso de máscara no sexo para prevenir coronavírus

No entanto, método é o menos seguro entre os listados na pesquisa

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)
- Atualizada em

A revista Annals of Internal Medicine publicou um estudo de pesquisadores da universidade de Harvard que pode deixar muito casal empolgado por aí: fazer sexo de máscara pode ser uma forma de não transmitir o coronavírus para a pessoa que te acompanha no ato.

O estudo elencou alguns métodos, dividindo-os em alto e baixo risco de transmissão da doença pandêmica. Como o menor risco está a abstinência sexual, seguida da masturbação, do sexo virtual e de sexo com pessoas que passam a quarentena juntos.

Por último, o sexo entre pessoas que não estão juntas no isolamento, pois o estudo não ignora o fato de que algumas pessoas não respeitaram o momento de quarentena.

Além disso, a pesquisa apresenta cuidados como diminuir a quantidade de parceiros, evitar contato com fezes, sêmen e urina, tomar banho antes e depois do ato, além da higienização do espaço com sabão e álcool.