Saúde

Sol ajuda no tratamento de doença crônica na pele; entenda

Raios ultravioleta têm ação anti-inflamatória, contribuindo para o tratamento

Evelin Azevedo, da Agência O Globo

O sol, tão temido durante o verão, pode ser um alívio para as pessoas portadoras de psoríase, uma doença crônica, autoimune e sistêmica que se manifesta na pele. Os raios ultravioleta têm ação anti-inflamatória, contribuindo para o tratamento da doença.

"A maior incidência dos raios ultravioleta ocorre justamente no período entre 10h e 16h. Para que o paciente não sofra com queimaduras solares, esse banho de sol deve ser orientado por um dermatologista", alerta Ricardo Romiti, coordenador da campanha nacional de psoríase da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD).

A psoríase se caracteriza pelo surgimento de manchas vermelhas — que apresentam escamação — no couro cabeludo, nos braços, nas pernas e nas costas. O tamanho da lesão define a gravidade da doença: quanto maior, pior. Ela costuma aparecer em pessoas jovens, com idades entre 20 e 40 anos.

Além da coceira e da queimação provocada pelas lesões, os pacientes sofrem com o preconceito de quem não conhece a doença. Isso abala o emocional, afeta a qualidade de vida e faz com que os pacientes sintam vergonha de se expor.

"Existe a ideia de que a psoríase seria uma doença contagiosa pelo fato de o paciente eliminar muitas escamas, mas esta não é uma doença contagiosa. Infelizmente existe um preconceito social com os portadores de psoríase", lamenta Arnobio Pacheco, dermatologista e professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

A doença não tem cura, mas tem controle. Seguindo o tratamento indicado pelos dermatologistas, é possível viver sem nenhuma mancha no corpo.