Comportamento

Stiletto, a dança da Vivi Guedes de 'A dona do pedaço', queima 600 calorias por aula

Veja os benefícios da modalidade

Agência O Globo

Feminilidade, flexibilidade e força. Essas três palavras são algumas das muitas que podem ser usadas para definir o stiletto, modalidade de dança sobre saltos que vem se popularizando cada vez mais por aqui. A atividade, que surgiu em Nova York, caiu nas graças do público após a cantora americana Beyoncé começar a incorporar alguns de seus passos em suas coreografias.

De lá para cá, foi só sucesso. No Brasil, por exemplo, a poderosa Anitta já usou e abusou do stiletto em apresentações sensuais. Andrey Fellipy, professor de Paolla Oliveira, a Vivi Guedes de "A dona do pedaço", afirma que o exercício é uma ótima opção para manter a forma. Especialista na dança, ele tira algumas dúvidas sobre o stiletto e explica que não há restrições de idade nem de sexo para se matricular numa academia e começar a praticar.

Foto: Reprodução | Instagram 

De acordo com o professor, o stiletto é uma dança comercial, criada para as câmeras e popularizada com as cantoras internacionais como Rihanna, Britney Spears e Madonna, além da já citada Beyoncé. O nome vem do inglês: stiletto significa salto alto. Andrey lembra ainda que a modalidade surgiu na década de 90 e tem a professora americana Dana Foglia como grande percussora.

— A gente mistura movimentos de pernas e braços, em pé e no chão, podendo usar também elementos de outras danças — esclarece o dançarino: — O principal conceito é a feminilidade. Alongamento e força também são componentes necessários.

Para quem tem curiosidade, mas acha que não leva jeito, não há motivo para se assustar. Apesar de o uso do salto alto ser fundamental, o professor afirma que sempre deixa os alunos à vontade no início. Para alguns, o uso desse tipo de sapato ainda intimida. Os iniciantes, portanto, têm um tempinho até se acostumarem. Aqueles que têm mais dificuldades podem ficar tranquilos. Dá para ir com calma, numa boa. De qualquer maneira, os primeiros minutos das aulas, ele ressalta, começam sempre sem o salto alto.

Ver essa foto no Instagram

Dando um chega pra lá na preguiça da segunda-feira. Quem vem comigo? ❤????‍♀

Uma publicação compartilhada por Paolla Oliveira (@paollaoliveirareal) em

— Antes de qualquer coisa, temos que aquecer, alongar e preparar o corpo dos alunos. Ensinamos como manter o equilíbrio em cima do sapato, iniciando por movimentos básicos, como andar e, então, evoluímos para algo mais avançado. Mas é fato: o uso do salto no stiletto é essencial para que os movimentos sejam bem executados, uma vez que o acessório corrige a postura durante a dança e é determinante para alguns passos ao longo da coreografia — avisa o professor, que tem diversas alunas por volta dos 65 anos, além de alunos homens que andam se aventurando cada vez mais.

Benefícios do exercício

Além de divertir, o stiletto é uma ótima opção de atividade física diferente das já convencionais, como musculação e outros tipos de dança já mais conhecidos. Andrey ressalta que a modalidade é muito indicada para quem tem como objetivo perder peso, mas também estimula a musculatura do corpo inteiro.

600 calorias por aula

Além de queimar calorias por ser uma atividade aeróbica, as aulas trabalham as linhas do corpo, de modo a criar flexibilidade para a coluna e para os outros membros.

Enrijecimento do corpo

A modalidade fortalece os músculos da perna, dos glúteos e do abdômen. Também melhora o equilíbrio, a postura e a coordenação.

Contraindicações

Quem sofre com problemas nos joelhos, como lesões nos meniscos, e na coluna, como hérnia de disco, deve procurar um ortopedista para avaliar se pode praticar a dança.

Sem desconforto

Para evitar complicações, o conselho do coreógrafo é fazer aulas apenas com professores especializados e estar atento ao salto, que não deve causar desconforto ao aluno em hipótese alguma.