Educação

Unirb é a primeira instituição a oferecer curso de Defesa Cibernética na Bahia

O profissional é o responsável por analisar redes de computadores e sistemas digitais, monitorando e investigando ataques

Especial de Conteúdo
- Atualizada em

A crescente informatização nos diferentes setores e empresas criou uma necessidade: aumentar a segurança dos dados e informações digitais. Pensando em como novos profissionais podem reduzir as falhas de segurança em acessos aos dados de um computador, a Unirb, em Salvador, passou a oferecer o curso superior tecnológico em Defesa Cibernética.

Trata-se de um curso superior de tecnologia, com duração de dois anos e meio, oferecido na modalidade presencial que forma mão de obra qualificada para atuar na segurança dos dados, não apenas empresariais, mas também pessoais.


A Unirb é a primeira instituição do estado da Bahia a oferecer a graduação que formará o especialista no combate aos cibercriminosos: o Analista de Segurança da Informação. Ele é o responsável por analisar redes de computadores e sistemas digitais, monitorando e investigando ataques.

“O grande problema que temos no Nordeste é que as pessoas têm que sair da região para ter uma formação inovadora e isso acaba excluindo a nossa população dessa área inovadora. A grande questão é que estamos oferecendo a oportunidade para os estudantes receberem essa formação em um curso que segue a tendência do mercado, sem que eles deixem a região onde vivem", afirma o coordenador do curso, Diego Bezerra.

Os profissionais que se formam no curso tecnológico têm um vasto campo de atuação, que ainda é deficiente na disponibilidade de pessoas qualificadas. De acordo com o site especializado Cybersecurity Ventures, a previsão é de que abram cerca de 3,5 milhões de vagas na área de cibersegurança até o ano de 2021.

“Esse tipo de profissional atua em todas as áreas, desde a empresarial ou industrial até as forças armadas. E ainda tem uma nova tendência do mercado, que é a atuação com as pessoas, além das empresas, que estão preocupadas com a segurança, servindo de guarda-costas, evitando vazamentos de informações pessoais, por exemplo. Ele também pode atuar em outras áreas fora da segurança, porque é um profissional de TI”, diz o coordenador.

A diferença mais clara entre o curso de Defesa Cibernética com o de Sistemas da Informação, que também é uma graduação da mesma área, é que ele tem o foco totalmente nas invasões e vulnerabilidades que podem acontecer em qualquer ativo tecnológico.