Comportamento

Viciado em sexo ou apenas com muito tesão? Saiba quando ter atenção à frequência sexual

Enquanto que algumas pessoas se preocupam com a falta de apetite sexual, há quem se queixe do excesso

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)
- Atualizada em

Muito além do prazer que nos proporciona, o sexo é responsável por aliviar o stress, aumentar a autoestima e fortalecer nossos músculos. Não é a toa que muita gente se preocupa quando está sem vontade de transar. No entanto, há também quem fique alerta quando está com muito tesão, chegando, inclusive, a cogitar o vício.

Foto: reprodução
Porem, o excesso de tesão está diretamente ligado ao vício? Ao UOL, o psiquiatra Bruno Coelho contou que é impossível diagnosticar alguém como compulsivo baseado apenas na quantidade de vezes que a pessoa se masturba ou transa durante o dia.

Ao UOL, o psiquiatra Fernando Calderan explicou que quem sofre com o vício comete excessos com relação às práticas sexuais. "A pessoa sente necessidade de se masturbar em lugares inoportunos e quase nunca se sente satisfeita depois de uma relação sexual", analisou o especialista.

Além disso, quem passa por este problema pode passar situações de risco, como não usar preservativo, consumir pornografia em excesso e ter relações com vários parceiros.



Segundo a matéria publicada pelo portal, os parâmetros para definir se seu caso é ou não compulsivo são inexatos. "O comportamento só pode ser considerado anormal se estiver trazendo sofrimento ou prejuízos para a pessoa. Se ela não consegue estabelecer relações afetivas pela necessidade de trocar constantemente de parceiros, se não consegue se concentrar no trabalho ou se já chegou a se machucar pelo excesso de masturbação, por exemplo, o indicado é que procure ajuda de um profissional", ressaltou Bruno .

O tratamento modifica de acordo com o diagnostico do paciente. No entanto, é geralmente feito com psicoterapia e medicação.