Tecnologia

'Vírus' rouba criptomoedas em aplicativo de mensagens; saiba como se proteger

O malware é distribuído através de um grupo de hackers no Telegram

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)

Cada vez mais a internet é necessária para cumprir tarefas do dia a dia. Em um contexto de pandemia, isso se tornou ainda mais forte: trabalhar, estudar ou até pagar contas se tornaram atividades feitas no sofá da sala. Essa maior presença digital faz com que novos crimes surjam nesse meio. 

A aplicação de crimes nas plataformas de mensagem é algo bem comum. Atualmente, pesquisadores do Laboratório de Ameaças da empresa de segurança digital Avast, descobriram um novo malware  que rouba criptomoedas na plataforma de mensagens Telegram. 

Os malwares são softwares que se infiltram em sistemas de computadores de formas ilícitas. Eles são conhecidos popularmente como vírus e podem causar diversos danos, como o roubo de informações. 

O malware descoberto no aplicativo de mensagens foi chamado de HackBoss. Segundo os pesquisadores, ele é distribuído por meio de um canal do Telegram com o mesmo nome, que existe desde novembro de 2018 e tem mais de 2.500 assinantes. 

Neste canal, os autores publicam postagens promovendo aplicativos de hacking ou cracking, mas o que as pessoas obtêm quando baixam esses aplicativos é o malware HackBoss. Ou seja, as pessoas que procuram se tornar hackers são hackeadas. 

Depois de instalado, este malware é executado e procura por endereços de carteiras de criptomoedas. Quando as encontra, ele desvia o dinheiro para o autor do HackBoss. 

Os formatos dos endereços de carteiras que o HackBoss verifica são de criptomoedas Bitcoin, Ethereum, Dogecoin, Litecoin e Monero, porém a maioria delas são carteiras de Bitcoin. As análises dos pesquisadores revelaram ainda que as vítimas do HackBoss estão principalmente na Nigéria e nos Estados Unidos, e que os autores do malware podem ter recebido mais de US$ 560 mil dólares (mais de R$ 3 milhões) em fundos de criptomoedas redirecionados (embora parte desse valor também possa refletir em ganhos a partir das vendas de software falso).  

  • Como se proteger: 

- Sempre preste muita atenção e seja cauteloso ao lidar com criptomoedas; 

- Sempre verifique o endereço da carteira para a qual você está enviando os seus ativos digitais; 

- Use a autenticação de dois fatores, para acessar as suas carteiras digitais;