Nem Te Conto

Vocalista da Timbalada, Millane Hora revela que pediu chance na banda: "insisti"

Cantora confessou que pediu para participar da audição e quase ouviu um 'não'. Ela ainda falou sobre as críticas que surgiram nas redes sociais

Guinho Santos (guinho.santos@redebahia.com.br)
- Atualizada em

A partir do domingo (04), o público vai conhecer a nova vocalista da Timbalada. Millane Hora, de 33 anos, assume o comando da banda ao lado de Denny e vai estrear na primeira edição do tradicional ensaio do grupo. Em entrevista ao iBahia, a alagoana, que fez parte do 'The Voice Brasil' no time de Claudia Leitte, falou da expectativa para o primeiro contato com os timbaleiros, a relação com Denny e não hesitou em responder sobre as críticas que surgiram nas redes sociais desde o anúncio e suas inspirações. Confira:


Convite
Fã assumida da banda, Millane revelou que foi ela quem correu atrás para participar das audições e foi surpreendida ao ser escolhida. "A Timbalada já vinha fazendo audições com cantores de vários lugares do Brasil - inclusive daqui da Bahia - já alguns meses e fiquei sabendo através de um amigo. Pedi para participar e ele entrou em contato com o pessoal da Timbalada. Já estava bem no fim da história e quiseram meio que dizer que 'não' e fiz: 'pelo amor de Deus', eu insisti. Eles abriram uma exceção e eu fui uma das últimas pessoas a serem ouvidas. Um mês depois foi quando eles entraram em contato e me chamaram para uma reunião aqui em Salvador. Aí eles disseram que eu fui selecionada e fizeram o convite. Era tudo o que eu queria. A partir daí, foi tudo muito rápido. Falei com eles em uma semana, na outra já vim morar aqui. Estou aqui há mais ou menos três meses me preparando", disse.

Preparação
Por falar em preparação, a alagoana tem feito de tudo um pouco para subir ao palco, mas a sua preocupação mesmo é com a questão física, já que comandar a Timbalada não é uma tarefa fácil: "enfrentar uma banda como a Timbalada é outra história. A responsabilidade musical e social é gigantesca. A minha preocupação também era física. Eu disse: 'gente é um desgaste físico surreal e vou precisar dar conta'. Então venho me preparando fisicamente, tenho um treinador, tenho uma professora de dança, tenho uma fonoaudióloga, que vem me ajudando muito porque cantar Timbalada é diferente. Estou me preparando em todos os aspectos, seja físico ou na música em si".


E Denny?
Quem tem dado um suporte também para Millane é o cantor Denny, que está à frente da Timba há muitos anos. A cantora disse que a parceria entre eles promete dar muito certo. "Só o conhecia como cantor. A primeira vez que eu encontrei ele foi como fã. Já sabia que ia dividir o palco com ele. Foi no escritório, um encontro formal, quando fui apresentada pra ele. Ele não acompanhou as audições, que foram feitas pelos diretores da banda. Quando cheguei, ele já sabia quem eu era. Ele me recebeu com muito carinho e respeito. Ele me deu um abraço, olhou pra mim e disse: 'seja bem-vinda'. Ele é um cara muito do bem. Gosto muito de estar com ele porque ele é um baú da Timbalada. Ele é o cara. Está na banda desde os 13 anos. Ele sabe de tudo. Depois do Brown, na minha opinião, é o Denny. Ele vivenciou tudo. Ele é muito generoso, vem me passando as informações, a gente vem trocando muita coisa. Tem essa troca e o meu respeito por quem ele é e quem ele representa pra mim. Ele tem toda disposição e vontade de me ensinar as coisas. Estou aqui pra vivenciar e aprender tudo também", garantiu.

Aceitação dos timbaleiros
Mas todo mundo sabe que os timbaleiros, digamos, são um tanto quanto exigentes. Questionada se tem medo da aceitação dos fãs do grupo baiano, Millane garantiu que não: "rola um frio na cabeça, nos pés, na coxa (risos)...Penso muito pelo respeito que eu tenho por eles, mas eu sou como um deles. Antes de ser cantora, sou fã da Timbalada também. Óbvio que existem pessoas que vivem uma Timbalada diferente, a coisa da religião. O Brown me disse que a banda não prega a religião, ela prega a religiosidade, mas ela é aberta pra tudo e pra todos. Costumo dizer que a Timbalada foi uma criação como um ato de amor pelo Brown. Ele queria através da musicalidade tirar as pessoas das ruas e trazê-las pra música. Pra mim isso é um ato de amor. A banda prega por isso, amor, união, respeito ao próximo. É isso que eu acredito que os timbaleiros tenham dentro deles. Eu tenho expectativa sim, fico ansiosa para saber o que eles vão pensar e achar de mim. Mas eu sei que eles vão saber respeitar e saber que ali é uma profissional que foi contratada para estar ali. Afinal de contas a banda precisa fazer shows, vender ingressos... Vou estar ali em cima com muito profissionalismo, muita vontade de estar e muito respeito a quem vai estar me ouvindo. Estou muito ansiosa, mas não estou com medo".


Críticas
Por falar em aceitação, desde que foi feito o anúncio de que a alagoana faria parte da Timbalada, muitas críticas surgiram nas redes sociais da artista. Segundo ela, esse não é um problema que ela quer focar no momento, já que promete dar o seu melhor à frente da banda. "Não tenho medo de crítica. Acho que ela é muito boa. Por isso que a gente fala 'é muito bom a crítica construtiva'. Realmente eu presto muita atenção no que as pessoas falam, afinal de contas eu subo ao palco para aquela pessoa. Então a opinião dela é extremamente necessária para o meu trabalho. Sou muito respeitosa com o público, então espero que o respeito seja recíproco. Então se a crítica vier com respeito, ela vai ser muito bem aceita. Se ela vier com desrespeito, ela simplesmente vai ser anulada, ela não vai chegar até a mim. Eu filtro muito as coisas. Algumas pessoas falam mesmo pra machucar ou até mesmo pra chamar a atenção. Tem gente que é tão sozinha, que fica usando da internet pra ter companhia, ainda que seja no virtual. Essas pessoas eu nem leio. Quando começo a ver que é coisa ruim, nem termino, já vou pra outra coisa. Eu não vou chegar num dia e dar atenção a um grupo que esteja falando mal. Se tiver uma pessoa olhando pra mim com carinho, querendo me ouvir, eu vou fazer o show pra ela. Então não estou preocupada, ainda que estejam todos revoltados ou seja lá o que for, eu vou respeitar e fazer o show pra quem quiser me ouvir. Então espero que seja um momento bom, porque estou ali dando o meu melhor, mostrando meu trabalho. Quero muito estar no palco levando o que sei. Lutei tanto por isso. Todo mundo luta pelo reconhecimento, então espero ser respeitada. Medo eu não tenho, estou ansiosa e infinitamente feliz pela oportunidade que Deus e os timbaleiros estão me dando", explicou.

Claudia Leitte
Durante sua participação no 'The Voice Brasil', em 2014, Millane integrou o time de Claudinha. A experiência no reality global rendeu bons frutos para a cantora, mas a relação com a loira não chegou a virar uma amizade, como ela mesma explica: "quando ela postou nas redes, eu agradeci. Ela é um ser de luz, uma mulher muito do bem, com o coração maravilhoso. Ela fica feliz com todo mundo que participou do 'The Voice', mesmo não sendo do time dela. Então ela ficou do meu lado. Ela ficou sabendo antes de ser anunciado e guardou. Ela me ajuda muito, até do creme pra passar na perna. Ela é maravilhosa. Não sou amiga dela ainda por oportunidade porque ela é uma pessoa que eu queria ter como amiga, mas sei que ela torce muito por mim. A família dela é tão querida quanto ela. Tenho maior respeito por ela. Ela vai ser eternamente minha técnica, uma grande mentora. Uma pessoa que vai sempre ter muita coisa pra me dizer".


Inspiração
Claudinha, por sinal, é uma das referências que Millane tem usado nos últimos meses para se inspirar. "Assisto muito o palco dela e da Ivete. Vejo as duas muito como inspiração. O próprio Denny também, que sempre está ali na dele. A Claudinha, que tem um gás e sempre elétrica e eu digo 'meu Deus se eu estivesse dando esses pulos, já teria desmaiado'. E Ivete que é uma comunicadora. Ela não existe. Tem um ouvido que é de outro planeta. Isso é meio técnico, mas pra mim como cantora... Alinne (Rosa) também canta demais. Mas os palcos que eu mais assisto são os de Ivete e Claudinha", confessou.

Carnaval
Quanto à expectativa para puxar o bloco da Timbalada pela primeira vez, Millane se diz ansiosa e que promete levar muita alegria para os fãs da banda. O que esperar mais dela? "Uma foliã que vai cantar. Vou estar literalmente me divertindo, como já estive das outras vezes que passei por Salvador, só que desta vez estarei em cima do trio elétrico cantando. Mas vou estar com a mesma alegria, a mesma vontade de curtir junto com todo mundo. Então eu quero me entregar completamente para o que é o Carnaval... Quero subir no trio como uma foliã que, por acaso, vai cantar".