E. C. Bahia

Aproveitamento do Bahia é de 69,2% quando Maxi joga, e 55,5% sem ele

Os números, mesmo com a longa seca de gols, são favoráveis ao hermano

Miro Palma (miro.palma@redebahia.com.br)
- Atualizada em
A espera foi grande. O argentino Maxi Biancucchi precisou de 13 jogos com a camisa do Bahia para, enfim, desencantar. Foi de pênalti, é verdade, mas só a sensação de colocar a bola na rede deixa o atacante bem mais leve. “Fico feliz de poder comemorar esse primeiro gol. Estou curtindo esse momento. Com certeza foi um alívio pra mim, um peso que saiu das minhas costas. Tomara que esse gol possa trazer muitos outros”, disse ele, que fez o segundo do triunfo por 2x0 sobre o Villa Nova-MG na última quarta-feira, pela Copa do Brasil. 
Os números, mesmo com a longa seca de gols, são favoráveis ao hermano. A presença de Maxi em campo, por si só, explica um pouco da importância dele para o Esquadrão. Com ele, o aproveitamento do tricolor é de 69,2% dos pontos. São oito vitórias, três empates e duas derrotas em 13 jogos.

Foto: Robson Mendes

Sem Biancucchi, entretanto, os números do Bahia caem para 55,5%. Em nove partidas, o desempenho da equipe é de quatro triunfos, três empates e duas derrotas. Em relação ao saldo de gols, os números seguem positivos. Com Maxi, foram 18 marcados e nove sofridos, o que dá um saldo de 9. Quando o atacante não está em campo, todavia, o saldo é de um: 14 gols a favor e outros 13 contra.
Apesar do gol de Maxi ter demorado a acontecer, o jogador sempre recebeu o apoio da torcida. Em cada substituição, ao invés das tradicionais vaias, ele escutava aplausos de incentivo. Por isso, o camisa 7 agradece aos tricolores que, das arquibancadas, pediram para ele cobrar o pênalti diante do Villa. “Na verdade, eu não era encarregado. O treinador também pediu para eu bater. Com a manifestação da torcida, deu muita vontade mesmo de fazer o gol. Então fiquei feliz por dar uma alegria a eles, que merecem, por toda a paciência que tiveram comigo”. 
Apoio - Domingo, às 16h, o Bahia recebe o Botafogo pelo Brasileirão. É a chance de tentar a segunda vitória consecutiva e ficar mais próximo dos líderes nesse início de competição. Maxi espera um duelo complicado, mas conta com o apoio da torcida para levar os três pontos. “Será um jogo duro. No Botafogo chegou Emerson Sheik. Temos que aproveitar o mando de campo, o apoio do torcedor”, convoca.

Matéria original do Correio
Aproveitamento do Bahia é de 69,2% quando Maxi joga, e 55,5 sem ele