E. C. Bahia

Ataque contra defesa: enquanto o Bahia fez mais gols, Leão é o time que sofreu menos

Duelo na decisão do Campeonato Baiano vai colocar qualidades distintas entre as duas equipes frente a frente

Moysés Suzart (moyses.suzart@redebahia.com.br)
- Atualizada em

Não significa que será um clássico ataque contra a defesa. Porém, os números revelam um Ba-Vi com as principais qualidades distintas entre Bahia e Vitória. No lado tricolor, o poder ofensivo é o ponto mais forte do técnico Doriva. Porém, para manter o ritmo nas finais, é preciso furar o bloqueio sólido do rubro-negro treinado por Vagner Mancini.

Com ou sem Hernane, o Bahia não tem decepcionado a torcida no quesito bola na rede. Dono do melhor ataque no estadual, o Esquadrão tem 22 gols em dez jogos. Uma média de 2,2 comemorações por jogo. Em apenas uma partida o Bahia não fez mais de um gol na rodada. Foi justamente no único encontro com o Vitória em 2016, quando perdeu por 2x0, na Fonte Nova.

Ataque é o principal setor do Bahia no primeiro semestre (Foto: Felipe Oliveira/EC Bahia)

Com tantos gols, o Bahia domina a tabela de artilheiros do Baiano. Dos cinco principais goleadores, dois são do Esquadrão: Edgar Junio, no topo, com cinco gols, além de Hernane, com quatro.

Muralha 

No lado rubro-negro, a defesa  é o melhor ataque. Com uma retaguarda sólida, sobra tempo para o ataque trabalhar sem moderação. Nos dez jogos do estadual, a melhor defesa levou apenas seis gols. Uma média de 0,6 por duelo. 

No Barradão, a muralha se torna ainda mais forte. Nos cinco jogos em seu reduto, apenas João Neto, do Jacobina, conseguiu fazer gol no Vitória. Foi no triunfo do Leão, por 3x1, ainda na primeira fase do campeonato.

Do lado rubro-negro, defesa é um dos pontos altos na campanha do estadual (Foto: Arisson Marinho/CORREIO) 

Apesar da boa campanha defensiva, o rodízio é quase constante nas posições. Dos atletas que atuam atrás, só o zagueiro Ramon atuou em todos os jogos. Nas demais funções, mudanças foram comuns. Fernando Miguel e Caíque se revezaram no gol. Na zaga, Victor Ramos tomou a vaga de Vinícius recentemente. 

Mesmo com suas particularidades, a dupla Ba-Vi pode inverter as armas sem grandes complicações. Com média de dois gols por jogo, o Leão só não marcou em um duelo, contra o Flu, em Pituaçu. Em contraponto, o Bahia tem a segunda melhor defesa, com nove gols sofridos. Tudo vai depender de escolher a arma certa na hora certa.

Correio24horas