E. C. Bahia

Em tarde de Kieza, Bahia bate o Figueirense e encerra jejum de seis rodadas sem triunfo

Atacante faz dois e Tricolor tem atuação empolgante em Feira de Santana; confusão faz dez torcedores serem detidos

Luan Guimarães (luan.guimaraes@redebahia.com.br)
- Atualizada em

O Bahia recebeu o Figueirense, na tarde deste domingo (14), no estádio Joia da Princesa, em partida válida pela 21ª rodada da Série A do Campeonato Brasileiro. O Tricolor teve que jogar longe da capital por conta de uma punição imposta pelo STJD, graças a uma superlotação que aconteceu no dia 29 de maio, no mesmo estádio, em duelo contra o Santos, também pelo Brasileirão. Após seis rodadas em jejum de triunfos, o Esquadrão não fez feio e bateu o Figueirense em Feira de Santana: 3 a 0. Os gols foram marcados por Kieza (2) e Maxi Biancucchi.


Primeiro tempo

O Bahia começou a partida pressionando, mas o primeiro lance de perigo foi acabou sendo do Figueirense. Logo aois dois minutos de jogo, após contra-ataque, a bola sobrou para William, que recebeu na esquerda e bateu cruzado para fora. Embora tivesse mais posse e apresentasse mais volume de jogo, o Bahia abusou um pouco das jogadas aéreas, principalmente com Guilherme Santos pela esquerda, mas não obteve êxito.


Confusão
Se em maio a falta de estrutura do Joia da Princesa trouxe punição ao Bahia, desta vez é a torcida quem pode complicar a situação do Esquadrão. Torcedores de Bahia e Figueirense se estranharam e o conflito resultou em dez detidos: oito da Torcida Organizada Bamor, do Bahia e dois do Figueirense.


Aos 13 minutos, o Figueirense chegou com Giovanni Augusto. O camisa 10 aproveitou um passe para virar bonito, de primeira, mas a bola foi para fora. Aos 17, a bola aérea finalmente funcionou para o Bahia. Após cobrança de escanteio feita por Emanuel Biancucchi, Rafael Miranda tentou cabecear. A zaga tentou cortar, mas a redonda sobrou para Kieza encher o pé e estufar as redes: 1 a 0.


O primeiro tento não fez o Bahia relaxar. O time de Gilson Kleina continuou pressionando e, aos 23, Guilherme Santos deu boa enfiada para Emanuel Biancucchi, mas o argentino não pegou bem e errou a finalização. Um minuto mais tarde, o tricolor ampliou. Kieza dominou bem do lado esquerdo da grande área, venceu a marcação e bateu colocado, bonito, no canto direito de Tiago Volpi: 2 a 0.

Kieza comemora um dos gols marcados na tarde deste domingo (14)


Sem outra alternativa, o Figueirense teve que sair para buscar o placar. Por sua vez, o Bahia recuou e passou a apostar nos contra-ataques. Aos 31 minutos, Giovanni Augusto carregou pelo meio e tabelou com Roberto Cereceda. Ao receber a redonda, ele esperou a marcação chegar e caiu, mas o árbitro não foi na dele e aplicou cartão amarelo no camisa 10 alvinegro. Quatro minutos mais tarde, Clayton recebeu na meia-lua e chutou no canto, obrigando Marcelo Lomba a fazer boa defesa.


Aos 40 minutos, o Figueirense só não marcou por uma infelicidade de Clayton. Após cobrança de escanteio, Nem cabeceou em direção ao gol; Lomba já estava batido no lance, mas Clayton, desavisado, acabou sendo atingido pela bola, que tomou o caminho da linha de fundo.


Aos 42, Kieza recebeu passe em profundidade, invadiu a área e após a chegada da marcação, caiu. Assim como Giovanni Augusto, recebeu cartão amarelo. No finalzinho da primeira etapa, Guilherme Santos recebeu em profundidade, mas finalizou mal e perdeu grande chance.


Ao término do primeiro tempo, Kieza reclamou da não marcação do pênalti. "Lógico (que foi pênalti). Não ia deixar de fazer o gol para me jogar. Acho que foi pênalti, ele me empurrou, mas a gente está jogando bem!".


Segundo tempo
A segunda etapa começou corrida. Logo aos dois minutos, Paulo Roberto tabelou com Clayton e chutou forte, mas a bola foi para fora. O Bahia deu o troco aos sete: Railan invadiu a área e chutou, mas Marquinhos chegou antes e afastou o perigo.


Com a saída de Clayton e a entrada de Pablo no Figueira, aos 15 minutos, o time do técnico Argel Fucks ficou mais leve e trabalhou melhor a bola. Aos 20 minutos, Giovanni Augusto carregou pelo meio e chutou, mas Lomba caiu no canto certo para fazer boa defesa. Aos 23, Pablo recebeu pela direita e, de fora da área, mandou um petardo. O atacante quase surpreendeu Marcelo Lomba, mas a bola foi para fora.

Léo Gago tenta roubar a bola de William


Aos 31 minutos, Gilson Kleina tirou Rafinha e colocou Maxi Biancucchi em campo. O argentino não decepcionou. Aos 39, após cruzamento na área, a bola sobrou para Marco Aurélio, que deu belo passe para Biancucchi encobrir o goleiro e marcar um bonito gol: 3 a 0.


O Bahia ainda fez o quarto gol, aos 44 minutos, mas o árbitro marcou posição irregular de Railan ao fazer um passe para o gol de Henrique e anulou o tento. O tricolor voltou a aparecer com perigo aos 46 com Uelliton. O volante soltou a bomba em cobrança de falta, obrigando Tiago Volpi a fazer grande defesa. Não dava tempo para mais nada.


Aos 48, o árbitro deu números finais à partida, fazendo o Bahia encerrar um jejum de vitórias no Brasileirão que já durava seis rodadas. O último triunfo do tricolor na competição havia sido no dia 9 de agosto, contra o Goiás, por 1 a 0, na Arena Fonte Nova.


Com o resultado, o time baiano foi a 20 pontos na tabela de classificação, mas segue na zona do rebaixamento ocupando a 18ª colocação. O próximo jogo do Esquadrão acontece na próxima quarta-feira (17), contra o Botafogo, no Rio de Janeiro. Por sua vez, o Figueirense permanece com 25 pontos, mas pode perder duas posições se o Atlético-PR vencer o Vitória, na Arena da Baixada e ficar em 13º.


Bahia 3 x 0 Figueirense - 21ª rodada do Brasileirão 2014
Data: 14/9/2014, dom

Local: Joia da Princesa, em Feira de Santana (BA)

Árbitro: Gilberto Rodrigues Castro Junior

Assistentes: Ricardo Bezerra Chianca e Bruno César Santos de Alcântara


Bahia: Marcelo Lomba; Railan, Lucas Fonseca, Demerson e Guilherme Santos; Uelliton, Rafael Miranda, Léo Gago e Emanuel Biancucchi (Marco Aurélio); Rafinha (Maxi Biancucchi) e Kieza (Henrique). Técnico - Gilson Kleina.


Figueirense: Tiago Volpi; William Cordeiro, Thiago Heleno, Marquinhos e Roberto Cereceda; Paulo Roberto, Nem, Jefferon (Felipe) - (Jean Carlo) e Giovanni Augusto; Clayton (Pablo) e Everaldo. Técnico - Argel Fucks.