E. C. Bahia

Hernane fala de azar do Tricolor e promete brocar mais na Série B

Com o Brocador em campo, são 13 jogos, com 10 triunfos, dois empates e apenas uma derrota

Fernanda Varela (fernanda.varela@redebahia.com.br)

Zica, inhaca, urucubaca, fominhagem ou simplesmente azar. A quantidade de gols perdidos pelo Bahia nos últimos jogos da temporada recebe várias explicações que surgem das arquibancadas, mas parece que elas estão com os dias contados.


Nos últimos quatro confrontos que antecederam a partida contra o Joinville, na quarta-feira – todos sem a presença de Hernane – , os números decepcionavam: só dois gols marcados. Sem vencer, nem balançar as redes desde a estreia na Série B, dia 14 de maio, quando derrotou o Avaí por 2x1, o tricolor voltou a ter a sensação de brocar.


Tudo bem que não foi aquela brocação que o torcedor esperava, com um jogo cheio de gols, mas o importante, como dizem os boleiros, são os três pontos. Para aliviar e encher o coração dos tricolores de esperança, com a palavra, o artilheiro do time. “O Bahia vem criando muito nas partidas e o gol não saía de jeito nenhum. Finalmente o primeiro saiu e acabou essa coisa de não fazer gol. O time criava, criava e nada de gol”, desabafa Hernane, com 11 gols na temporada, sendo um marcado na competição nacional.

Foto:Divulgação/EC Bahia

Os números não mentem. Com o Brocador em campo o Bahia rende mais. Com ele, são 13 jogos, com 10 triunfos, dois empates e apenas uma derrota, o que rende ao tricolor um aproveitamento de 79%. Sem ele, o percentual cai para 75%. Ao todo, de 16 jogos, são 10 triunfos, quatro empates e duas derrotas.DesafioPara manter o alto nível e fazer o time engrenar na competição, o Esquadrão precisa reduzir os erros e calibrar o pé. Amanhã já tem mais um desafio rumo ao acesso à primeira divisão, diante do líder Vasco, às 16h30, em São Januário. A missão deve ser difícil, já que a equipe carioca tem o melhor ataque da competição, com sete gols marcados, e a melhor defesa, ainda não vazada. Além disso, o clube está invicto há 30 jogos. O Bahia ocupa a 4ª posição na tabela, com sete pontos.


Esse duelo, para Hernane, promete ser o mais difícil do ano. “O Vasco já tem uma base do ano passado, a equipe está encaixada e tem grandes jogadores. O Bahia tem que ser inteligente para sair de Salvador e jogar contra eles sem se expor muito. O Vasco tem um ataque muito rápido, então temos que tentar anular isso. Temos que ser sinceros. Temos que ir para esse jogo para buscar as jogadas no contra-ataque, porque é um time de muita qualidade”, resume.


Para o confronto, o Bahia não contará com o volante Juninho, suspenso pelo terceiro cartão amarelo, além de Yuri, Rômulo e Gustavo, que ainda não estão liberados pelo departamento médico para atuar. Os atacantes Thiago Ribeiro e Edigar Júnior serão reavaliados e podem voltar ao time. Já o meia Renato Cajá aguarda regularização.

Correio24horas