E. C. Bahia

Mancini afirma que ordem para acabar o jogo não partiu dele

Treinador ficou indignado com acusações

Giuliana Mancini e Herbem Gramacho, do Correio 24h
- Atualizada em

Não partiu do técnico Vagner Mancini a decisão de forçar a expulsão do zagueiro Bruno, que resultou no encerramento do Ba-Vi. Pelo menos é o que garante o treinador.

Foto: Arisson Marinho/CORREIO
“Não, não partiu do banco. Não sei porque está todo mundo batendo. Tenho mais de 30 anos no futebol. Tem que vir me falar qual a regra? Eu sei e todos os atletas sabem. Fiquei indignado. Quem tem prova? É uma acusação grave. Quem tiver prova, por favor, se apresente”, desabafou.

​​​​​​​Com a expulsão de Bruno, o Vitória ficou com apenas seis atletas em campo. De acordo com o artigo 56 do Regulamento Geral de Competições da CBF, “nenhuma partida poderá ser disputada com menos de sete atletas”. E acrescenta, no inciso 3º, que “após o início da partida, se uma das equipes ficar reduzida a menos de sete atletas, dando causa a essa situação, tal equipe perderá os pontos em disputa”.

O inciso 4º complementa: “O resultado da partida será mantido, na aplicação do § 3º, se, no momento do seu encerramento, a equipe adversária estiver vencendo a partida por um placar igual ou superior a três (3) gols de diferença; e se tal não ocorrer, o resultado considerado será de três a zero (3x0) para a equipe adversária”.