E. C. Bahia

Meia do Bahia ameniza pressão sobre Preto: 'Se fosse Guardiola seria igual'

Presente em todos os jogos com o técnico, Zé Rafael confia no trabalho

Vitor Villar, Correio 24 horas (vitor.villar@redebahia.com.br)

Presente em todas as nove partidas com Preto Casagrande, o meia Zé Rafael reconhece a pressão que ficou sobre o técnico após o empate em 1x1 com o Coritiba, no último sábado (30), na Fonte Nova. O resultado deixou o tricolor a um ponto do Z4.

Zé Rafael confia em trabalho de Preto (Arisson Marinho / CORREIO)

“É normal essa cobrança por parte da torcida e essa desconfiança, porque dentro de casa a gente tem falhado em alguns resultados. Isso é normal no futebol, independentemente do técnico. Se fosse Guardiola ou o melhor técnico do mundo, seria a mesma coisa”, disse.

Zé Rafael reconhece que o time vacilou diante de um adversário direto contra o rebaixamento: “nenhum torcedor e nós do grupo de atletas gostou do resultado. A gente sabe que foi muito ruim, porque a gente tinha pela frente um rival nessa briga”.

Será uma sequência difícil para o Esquadrão a partir de agora. O time tem um intervalo de dez dias até o próximo duelo, contra o Palmeiras, na quinta-feira (12), às 21h, no Allianz Parque. Depois enfrentará Corinthians (em casa), Flamengo (fora) e o Ba-Vi, na Fonte Nova.

“O Brasileirão é difícil do primeiro jogo até o último. A gente tem enfrentado isso principalmente no segundo turno, com equipes que estavam desorganizadas se organizando e deixando os jogos mais disputados. A gente está ciente disso mas sabemos também da qualidade do nosso grupo e do trabalho que tem sido feito pelo Preto”, finalizou.