E. C. Bahia

Permanência na elite depende de aproveitamento de 72% nos jogos

Se quiser manter a luz no fim do túnel acesa, o time de Gilson Kleina precisa começar a melhorar domingo, contra o Goiás

Ivan Dias Marques (ivan.marques@redebahia.com.br)
- Atualizada em
A matemática permite ao Bahia acreditar na permanência na Série A, mas deixa claro que a tarefa é difícil. São 18 pontos a disputarem seis jogos e o Esquadrão - atual 19º colocado, com 31 pontos - precisaria de mais 13 para se manter na Série A: com 44, as chances de cair são de 2,9%, apontam os matemáticos da UFMG.
Mas esse aproveitamento de cerca de 72%, com quatro triunfos e um empate, parece distante do tricolor, que só venceu sete das  32 partidas disputadas no Brasileirão e tem 32% de aproveitamento.


Se quiser manter a luz no fim do túnel acesa, o time do técnico Gilson Kleina precisa começar a melhorar domingo, contra o Goiás, às 18h30 (horário da Bahia), em Goiânia. Um triunfo fora de casa não tira o time da zona, mas, a depender da combinação de resultados, pode deixar o Bahia com a mesma pontuação do 16º colocado - hoje o Vitória.
Para o jogo contra os goianos, Kleina terá a volta do zagueiro Demerson, que cumpriu suspensão pelo terceiro cartão amarelo na derrota  por 1x0 para o Palmeiras, domingo. Maxi Biancucchi, por outro lado, é o desfalque desta vez por acúmulo de cartões.
No meio-campo, o técnico ainda não sabe se contará com os volantes Bruno Paulista e Rafael Miranda. Ambos estão entregues ao departamento médico. No treino de ontem, em Pituaçu, o zagueiro Titi e o lateral-direito Diego Macedo, que ficaram fora do jogo contra o Palmeiras, trabalharam normalmente.


Matéria original: Jornal Correio*
Permanência na elite depende de aproveitamento de 72% nos jogos