E. C. Vitória

De volta e em meio a polêmicas, Paulo Carneiro diz querer 'construir um novo Vitória'

Para concorrer, Carneiro precisou conseguir liminar na Justiça; novo presidente, eleito com 67,86% dos votos, tem mandato até 2022

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)
- Atualizada em

Com uma larga vantagem - 67,86% dos votos -, Paulo Carneiro está de volta ao Vitória. 15 anos depois de deixar o rubro-negro, com a queda para Série C do Campeonato Brasileiro, o dirigente foi escolhido pelos sócios nesta quarta-feira (24), em votação direta, para substituir Ricardo David. O mandato vai até 2022.

Diante de torcedores, apoiadores e gritos de "Paulo Carneiro voltou", ele agradeceu e destacou a necessidade de ter "união" para "construir um novo Vitória". "Quero dizer nesse momento que temos de novo um grande desafio. Dessa vez não somos mais 11% da torcida do estado. Somos mais de 40% da torcida do estado. É preciso que todos nós tenhamos consciência da gravidade do momento. Vamos comemorar? Vamos. Eu, mais do que ninguém, estou aqui com uma felicidade enorme. Sei o quanto foi difícil chegar aqui, quantas lutas na justiça", disse.

Foto: Reprodução / Instagram
"Quero lançar um pacto pela união do clube. Quero dizer que vou ser presidente de todos os rubro-negros. A porta da sala da presidência vai estar aberta para todos os rubro-negros. Sei que durante esses anos fui gratuitamente atacado, principalmente na internet. Quero dizer que esse assunto passou, é passado. Vamos construir juntos um novo Vitória. Agora um Vitória campeão, um Vitória vencedor. Pode demorar um pouquinho? Pode", continuou.

Briga na Justiça

Se no breve pronunciamento após a vencer a eleição, Carneiro optou por focar na união, questões judiciais e declarações polêmicas marcaram a campanha do gestor.

Para ter o direito de ser candidato a presidência do Vitória, Paulo Carneiro precisou entrar na Justiça. A sua candidatura foi deferida pela Comissão Eleitoral em caráter de tutela provisória, por ter sido expulso do Conselho Deliberativo em 2009. A expulsão aconteceu após ter aceitado trabalhar como diretor de futebol do Bahia e ter faltado a três reuniões do Conselho.

Uma liminar na Justiça, no entanto, liberou a candidatura de Carneiro, através da chapa Vitória Gigante, Unido e Forte. Em abril, pouco antes das eleições, a chapa Vitória Campeão Nacional em 2020, encabeçada por Gilson Presídio, solicitou a impugnação chapa de Paulo, por ele não ter cumprido o período mínimo de associação ao clube - 36 meses continuos. A comissão eleitoral do clube, porém, indeferiu o pedido.

Declarações polêmicas e promessas

Durante a campanha, uma das declarações de Paulo Carneiro que mais chamou atenção foi sobre o futebol feminino. Em entrevista ao canal Bar FC, no YouTube, ele afirmou que as jogadoras não continuarão treinando no Barradão. Atualmente, o time feminino do Vitória está na Série A1 do Campeonato Brasileiro.

"A primeira coisa que eu vou fazer é tirar o futebol feminino de lá. Porque não é lugar… Ou joga futebol masculino, ou joga futebol feminino. Tem que ser em lugares diferentes. É o seguinte: não dá para eu imaginar que, dentro da fisioterapia do Vitória, na maca, tenha um jogador masculino e um jogador feminino. Isso para mim não dá. A prioridade do Vitória é sair dessa situação. Eu vou encontrar uma solução para o futebol feminino porque é obrigado por lei, não tenho nada contra", declarou.

Sobre a democracia dentro do clube, Carneiro afirmou, em entrevista ao jornal Correio, "não ser contra", mas que os torcedores reflitam sobre qual é o modelo majotirário no futebol mundial. "Qual o único país com futebol top do mundo que não usa o modelo empresarial? O Brasil. Quando foi que o Vitória atraiu investidores? Quando virou empresa. É preciso plantar essa discussão na mesa. O Vitória tinha uma eleição indireta. É mais ou menos democrática? Muitos acham que menos, porque elege a chapa e a chapa elege um presidente. Mas nos Estados Unidos, como é? Indireta. E dizem que lá é o país mais democrático do mundo. Para mim, o que importa é o gestor. Já que o Vitória tem esse modelo, vamos seguir e tentar fazer a melhor gestão"

Na campanha, Carneiro prometeu manter o técnico recém chegado Cláudio Tencati no comando do time para a Série B, que começa, para o Leão, neste sábado (27), às 11h, do Botafogo de Ribeirão Preto. O gestor ainda prometeu ter uma reunião com o consórcio que administra a Fonte Nova para possibilitar o mando de jogos do rubro-negro na arena. "Não sei se na primeira rodada, pela situação de proximidade, mas se depender do que eu estou imaginando, eu pretendo jogar na Fonte Nova o Campeonato Brasileiro da Série B todo. Neste momento a geração de caixa é prioridade", disse ao jornal A Tarde.

Conselho Deliberativo e Conselho Fiscal

Além de Paulo Carneiro, a chapa Vitória Gigante, Unido e Forte elegeu Fábio Mota, secretário de Mobilidade de Salvador, à presidência do Conselho Deliberativo, e Jailson Reis para a presidência do Conselho Fiscal.

Além de Mota, no Conselho Deliberativo a chapa ocupará 59% das cadeiras, enquanto a 100% Vitória terá 23% e a Frente Vitória Popular 18%.