E. C. Vitória

Em crise política, Caique Sá quer elenco do Vitória blindado

Lateral pediu para que o grupo se feche e que o extracampo não atrapalhe o rendimento no Brasileirão

Fernanda Varela, do Correio 24h
- Atualizada em

Uma estreia positiva, mas ofuscada pela derrota diante do Grêmio e, posteriormente, por um turbilhão político. Caíque Sá não deu seu cartão de visitas no melhor momento para o Vitória, mas está feliz com o reconhecimento do torcedor, que o aplaudiu.

“Isso é fruto do meu trabalho. Venho treinando, buscando meu espaço. Os jogadores estão cientes dessa situação toda, mas temos nosso objetivo que é tirar o time dessa situação. Sábado já temos outro jogo difícil”, avaliou, que está no clube desde maio. O próximo adversário do Leão é a Chapecoense, sábado, ás 16h, no Barradão. As duas equipes têm, juntas, a pior defesa da Série A, com 27 gols sofridos.


Caíque Sá estreou bem, mas não evitou a derrota do Vitória para o Grêmio (Foto: Maurícia da Matta/EC Vitória)

Apesar do afastamento do presidente Ivã de Almeida, Caíque Sá pede que o elenco se feche e não permita que o extracampo atrapalhe o desempenho. “Nós temos que fechar. Esse negócio que vem de fora não pode entrar no nosso grupo. Isso afeta a gente, eu tenho certeza que sábado vamos fazer um bom jogo contra a Chapecoense para buscar essa vitória que é muito esperada”, disse.

Caíque Sá contou ainda que foi pego de surpresa por Gallo e que não imaginava que faria sua estreia contra o tricolor gaúcho. “Para mim foi uma surpresa. Ele me chamou na sala dele, conversou comigo, me deu toda confiança. Pediu para eu fazer o simples, e eu fiz. Agradeço pela oportunidade que ele me deu”, contou.

O estreante ainda não sabe se será titular contra a equipe catarinense. O técnico Alexandre Gallo, que o escalou o garoto após se queixar das falhas defensivas pela direita, ainda não formou o time que vai a campo.