E. C. Vitória

Mancini fala sobre dificuldade do campeonato e pede reforços

O próximo desafio do Vitória na competição será contra o Atlético-MG, domingo (29), na Arena Fonte Nova

Fernanda Varela (fernanda.varela@redebahia.com.br)

Jogar na elite do futebol brasileiro não é fácil. Equipes qualificadas, desgastes com viagens e calendário apertado, com 20 times “se matando” por título, vagas em competições internacionais e, claro, para fugir do rebaixamento.


A trajetória do Vitória na competição, até aqui, mostra que o elenco é aguerrido. Após uma estreia vexatória contra o Santa Cruz, quando perdeu por 4x1, uma virada heroica diante do Corinthians, por 3x2, e um empate na raça contra o América-MG: 1x1.


Garra não falta, mas o Leão precisa ser reforçado. Pelo menos é o que acredita o técnico Vagner Mancini. “A gente vai sofrer um pouco ao longo do campeonato, ainda mais no momento que precisarmos jogar quarta e domingo. O elenco não é grande. Temos deficiências. Não vou expor isso. Quando se fala em reforços, tem que olhar todos os setores do time. Não dá para especificar. Todos os setores, desde que os atletas sejam de qualidade”, deu o recado.

(Foto: Arisson Marinho/Arquivo CORREIO)

No próximo jogo, contra o Atlético Mineiro, domingo, às 16h, na Fonte Nova, Mancini terá que se virar com o que tem. O técnico perdeu Norberto, expulso, para o confronto. As únicas opções são seguir com o volante José Welison, improvisado de lateral, ou apostar em Maicon Silva, que ainda não rendeu o esperado desde que chegou.Apesar das poucas alternativas, ele ainda não definiu como o rubro-negro vai jogar. “Ainda não fiz planos. Não deu tempo de pensar. Tenho a volta do Vander, que ficou de fora por expulsão, e a do Maicon Silva. O que a gente sempre diz é que todos terão chance de jogar”, resumiu.Os problemas não param por aí. Mancini ainda tem mais duas dores de cabeça que vão consumir bastante. No empate por 1x1 com o América-MG, na quarta-feira, Tiago Real sentiu um incômodo muscular e foi substituído ainda no primeiro tempo. Além dele, Marinho, artilheiro do time com nove gols no ano, também precisou deixar o campo  mais cedo após torcer o tornozelo. Os dois ainda são dúvidas para o confronto contra o Galo e devem passar por exame, hoje, para detectar se houve lesão.

Correio24horas