E. C. Vitória

Para Jorginho, Vitória só terá sua filosofia após a Copa do Mundo

Apesar do pouco tempo para conhecer os atletas, treinador planeja meta ousada

Redação iBahia (esportes@portalibahia.com.br)

Anunciado como novo treinador do Vitória, o técnico Jorginho comandou o seu primeiro treino no clube na manhã deste sábado (24), e fará sua estreia no comando do Leão neste domingo (25), contra o Botafogo, em Macaé. Com pouco tempo para conhecer os atletas, o treinador trocou ideias com o Carlos Amadeu, que comandou o Rubro-negro nos confrontos contra Palmeiras e Atlético-MG, e explica que o time só deve ganhar sua filosofia de trabalho após a parada para a a Copa do Mundo. 

"É inadmissível eu chegar aqui e querer fazer o que eu penso, até porque eu não tenho convívio diário com os atletas. O time foi o que o Amadeu colocou. O que nós corrigimos, a gente conversou muito, foram algumas coisas que eu vi pela televisão, e que ele, junto com os atletas, foi descobrindo. Nesses três jogos ainda é impossível colocar alguma coisa que eu acho ideal. Depois da Copa, aí sim, vai ser minha cabeça junto com todas as ideias de todos da comissão técnica.", explicou Jorginho.

"Estamos dando um pouco de liberdade para o adversário pensar. A ideia é diminuir os espaços para o adversário não ter a chance de colocar uma bola dentro da área, um colega na cara do gol, isso nós não podemos deixar. Eu sei que não é fácil, nós estamos vindo de uma partida com um campo pesado, cansado, uma viagem cansativa, não vai ser fácil, mas é essa é a ideia. Primeiro diminuir os espaços e tentar jogar. Essa é a nossa ordem", completou o treinador.

Meta - Apesar de afirmar que só conseguirá implementar sua forma de trabalho durante o recesso do Mundial, Jorginho tem em mente um meta ousada. O treinador planeja conquistar nove pontos nas três partidas restam antes da pausa para a Copa, mas joga a responsabilidade para cima dos atletas.    


"Nós vamos lutar para conseguir primeiro o máximo de pontos nesses três primeiros jogos. Quantos vamos conseguir vai depender do que o atleta quer, do quanto mais de personalidade ele vai ter que o adversário, mais vontade que o adversário, se dedicar mais que o adversário e ter mais alegria e prazer que o adversário. Aí ele tem mais chance de ganhar. O erro vai acontecer, e muito, mas a vontade, a dedicação, o brio, aí não pode ter falta", afirmou Jorginho.