E. C. Vitória

Vitória espera julgamento e torce por time reforçado na final

Yago, Kanu, Rhayner e Denilson, além de Mancini, aguardam liberação do STJD

Fernanda Varela, do Correio 24 horas (fernanda.varela@redebahia.com.br)
- Atualizada em

O Vitória perdeu a vantagem de poder empatar no jogo de volta da final do Campeonato Baiano, domingo (8), às 16h, no Barradão. Mas, dos males, o menor. Como perdeu por apenas um gol de diferença, ao rubro-negro basta um triunfo por qualquer placar para comemorar o tricampeonato. Antes da bola rolar, no entanto, o time vive outra expectativa: a de conseguir liberação dos atletas punidos devido à confusão no Ba-Vi da primeira fase, que teve briga generalizada. Um novo julgamento foi marcado para o dia 6 de abril.

Yago, Kanu e Denílson estão suspensos (Maurícia da Matta/EC Vitória)

Na data, os recursos solicitados por Bahia, Vitória e a Procuradoria do Tribunal de Justiça Desportiva (TJD-BA) serão julgados pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), no Rio de Janeiro. O rubro-negro espera poder contar com quatro atletas punidos: o zagueiro Kanu, o atacante Denílson e os meias Yago e Rhayner, além de ter a presença do técnico Vagner Mancini à beira do campo. Todos ficaram fora do jogo de ida, na Fonte Nova, quando o Bahia venceu por 2x1.

Após a derrota, o auxiliar técnico Anderson Batatais admitiu que o Leão aguarda o julgamento e afirmou que, seja qual for o resultado, vai pra cima do Bahia na decisão. "Esperamos (a liberação dos atletas). Vamos ver. Temos todos os planos estabelecidos se isso não acontecer, mas almejamos que aconteça. Sobre o time, a gente não pode pensar nada antes de conversar com departamento médico, ver como estão todos os atletas para ver com quem a gente pode contar. O fato é que, mesmo que a gente tivesse que jogar pelo empate, nós não jogaríamos porque o DNA de nossa equipe é ofensivo. Agora a gente crê que o nosso torcedor vai dar uma resposta, vai nos impulsionar e vamos ter a possibilidade de fazermos o que fizemos em alguns momentos do jogo, que é gostar da bola", comentou Batatais.

O auxiliar admite que os jogadores sentem falta de Mancini à beira do campo. "Com certeza sentem falta. As decisões passam pelo Mancini. Tudo o que decidimos, em termos de estratégia, passa por ele. Seria ótimo se ele estivesse ali. Mas é o que temos, e é dessa forma que vamos encarar o segundo jogo", finalizou.