Empregos

4 coisas que você deve parar de se preocupar quando procura um emprego

Aprender a parar de se preocupar com coisas que não tendem a afetar o seu desempenho no processo seletivo é fundamental

Redação Catho


Redação Catho


A preocupação em conquistar um emprego é quase inevitável. Conseguir um emprego rápido, ter um bom desempenho no processo seletivo e se manter financeiramente estável sem um emprego formal consome muita energia dos candidatos.

Sendo assim, aprender a parar de se preocupar com coisas que não tendem a afetar o seu desempenho no processo seletivo e a conquista de um emprego é fundamental. Para manter o foco apenas nos fatores que, realmente, irão te ajudar, você precisa saber quais coisas não fazem diferença neste processo de recolocação e que pode desapegar.

 Notas ruins não fazem diferença no mercado de trabalho (atitude sim)

Não se preocupe tanto se você foi um aluno mediano ou se carregou algumas DPs durante a faculdade. Saiba que ter sido um ótimo aluno não garante a ninguém um bom emprego ou a sua estabilidade no cargo. Se você analisar algumas pessoas com quem estudou no passado e ver como se encontram profissionalmente hoje, perceberá que nem sempre os alunos com maiores notas possuem as carreiras mais promissoras ou estáveis.

Isto acontece porque o mercado de trabalho possui uma dinâmica muito diferente dos modelos de ensino convencionais. As empresas desejam pessoas que saibam agir em situações de crise com eficiência, que se comunicam com facilidade e que tenham criatividade para resolver problemas que nunca viram antes. Definitivamente, muitas escolas não focam em desenvolver as habilidades descritas acima.

Foto: Reprodução

Alunos com ótimas notas podem ter dificuldades em se comunicar com outras pessoas e em aplicar a sua criatividade em cenários incomuns devido ao condicionamento dos modelos de ensino. Assim, podem sofrer para migrar da fase acadêmica para profissional. Por outro lado, um aluno com péssimas notas, mas com as habilidades exigidas pela empresa poderá ter um crescimento meteórico em sua carreira.

Ter uma experiência curta em uma empresa específica

Trabalhar por um período curto (menos de 12 meses) e ser demitido pode não ser o fim do mundo. É comum alguns profissionais criarem expectativas sobre determinada empresa ou função e, depois de atuarem no dia a dia, perceberem que não se identificam com a cultura ou com as pessoas que trabalham no local.

Se isto aconteceu uma vez com você, não se preocupe. Os recrutadores sabem que existem empresas que prometem no processo seletivo, mas, após a contratação, não cumprem o acordado, gerando problemas para o colaborador. Se você caiu em uma armadilha dessas, fale a verdade na entrevista de emprego e apresente os motivos pelos quais saiu ou que foi desligado. Não esqueça de dizer, também, o que aprendeu com esta situação.

Você só estará em apuros se esta situação não for pontual, mas, sim, um padrão existente em sua carreira. Se você costuma “pingar” de empresa em empresa, tem permitido que outras pessoas tenham controle sobre a sua trajetória profissional ou tem uma incapacidade de avaliar as melhores opções para a sua carreira. Independente do motivo, saiba que a responsabilidade por esta situação é sua e que terá de arcar com as consequências.

 Concorrer a vagas com profissionais mais qualificados

Não se preocupe se na mesma dinâmica de grupo que participar estiver presente um candidato com o dobro da sua experiência, com conhecimento em um idioma ou com uma vivência internacional que você não possui. Afinal, você nunca saberá quais são os parâmetros de análise dos recrutadores para escolha do profissional para a vaga.

Em algumas vagas, o RH pode desejar um profissional com menor experiência porque há um plano de desenvolvimento esperando pelo candidato após a contratação. Um candidato sem experiência pode ser mais interessante, pois não terá vícios ou hábitos improdutivos referente a determinada atividade.

 Preocupe-se apenas com que é necessário

Mantenha o seu foco em conversar com as pessoas sobre possíveis oportunidades, em produzir um currículo perfeito, em pesquisar e se candidatar a vagas e em se comunicar adequadamente na entrevista de emprego. Neste momento, olhe para o seu passado apenas para retirar os aprendizados e foque no seu futuro desejado. Se lamentar ou se preocupar com o que passou não fará de você um candidato melhor para as vagas que concorre.

Sobre o autor

Allan Lopes é  Coaching Sistêmico, membro da Internacional Coach Federation, Master Practitioner em PNL e especialista em gestão de performance e em processos de mentoring e coaching aplicados ao ambiente corporativo. Sócio da Soar Desenvolvimento Humano e responsável pela área de Consultoria em Recursos Humanos.