Empregos

5 erros aos tentar transformar uma ideia num negócio

Empreender vai muito além de ter uma boa ideia e administrar o próprio capital

Redação Catho

 Muito se fala sobre as dificuldades de empreender. E não à toa, afinal, sair da posição de assalariado para comandar um negócio exige uma expertise que, na maioria das vezes, o profissional não teve a oportunidade de adquirir ao longo de sua carreira. Empreender vai muito além de ter uma boa ideia e administrar o próprio capital, como falamos em diversos textos por aqui.

Carlos Mazzei, fundador da Associação Nacional dos Inventores, aprendeu a identificar padrões que ajudam a entender por que uma ideia, às vezes, não vai para frente e, consequentemente, impede que o empreendedor tenha sucesso.


Desde o descuido na hora de registrar o conceito de um negócio até não saber o momento de passar o empreendimento adiante, Mazzei listou cinco obstáculos que afetam tanto inventores quanto empreendedores digitais.

Foto: Divulgação
1. Não pesquisar o suficiente

Primeiro vem um insight, depois a constatação: que ideia genial! Segundo Carlos, o passo seguinte a esta cena comum a empreendedores deve ser fazer uma pesquisa para descobrir se a tal “ideia genial” é, de fato, nova. “Há casos em que chegam a tentar colocar projetos de negócios e produtos no mercado como se fossem inovadores, quando há alternativas semelhantes disponíveis há anos”, diz ele.

2. Não registrar a ideia como propriedade intelectual 

Assim como protótipos de produtos são protegidos por meio de uma patente, o ideal é que um novo conceito de negócio esteja legalmente resguardado antes de divulgá-lo. “Tem sido um caso recorrente com aplicativos: os criadores levam a feiras em busca de parceiros e, meses depois, surgem várias cópias”, explica o presidente da ANI. Ainda que a lei brasileira não permita registrar a ideia de um app, uma alternativa é fazer isso na agência americana de propriedade intelectual, a Copyright Office. “Já fizemos esse procedimento com pelo menos 300 aplicativos na Associação”, conta Carlos.


3. Errar no timing e alvo de investimento

O momento de expandir ou concretizar um negócio por meio de aporte externo é crucial para o sucesso do negócio, por isso não pode ser feito de forma afobada. É preciso ser consciente do atual estágio de desenvolvimento da ideia e das suas perspectivas no mercado e buscar um investidor apenas quando esse cenário for promissor. Também é imprescindível garantir que os parceiros prospectados para participar do empreendimento estejam alinhados com seus valores e o futuro almejado, assim como saber com precisão o montante desejado para o investimento.

4. Não ter um plano

Sem saber onde quer chegar com uma ideia, o empreendedor dificilmente saberá o caminho a percorrer. O ideal é lançar o negócio já pensando em expansão, em franqueá-lo, em atrair investidores ou até mesmo em vendê-lo após atingida certa maturidade. “E é preciso renovar constantemente esse propósito. Cansei de ver ideias maravilhosas que não decolam porque seus criadores não têm tino para a parte comercial. Se não encontrou o sócio ideal que complemente essa característica, passar adiante é uma boa opção”, comenta Mazzei.

5. Falta de apoio familiar

O processo de desenvolvimento de uma ideia até ela se tornar um produto ou negócio viável é difícil e, às vezes, infrutífero. Além de suporte financeiro, é essencial contar com o apoio das pessoas próximas à vida do empreendedor. “Família e amigos são essenciais nessa hora. Eles precisam saber o que está acontecendo e ajudar tanto em questões práticas quanto no lado mais emocional dessa empreitada”, afirma Carlos.