Empregos

Ex-tenista e coach lista 10 técnicas do esporte para alavancar a vida profissional

Ex-tenista Timothy Gallwey, considerado o “pai do coaching”, transformou a luta mental que vivenciou em sua carreira no esporte em guia também para o meio corporativo

Agência O Globo

Não há troféu, ou medalha, mas os adversários que um profissional enfrenta, como medo, insegurança, desmotivação, falta de concentração, frustação e falta de perspectiva, são muito parecidas com a que qualquer atleta encara dentro da quadra. O ex-tenista Timothy Gallwey, considerado o “pai do coaching”, transformou a luta mental que vivenciou em sua carreira no esporte em guia também para o meio corporativo, e criou conceitos encontrados em best-sellers que apoiam pessoas em todo o mundo. O último lançamento "O jogo interior do tênis", promete despertar o número um do mundo em leitores diante de batalhas como busca por emprego, estágio e em outras vitórias do dia a dia.



Os oponentes do "jogo mental", como o coaching explica, podem até ser invisíveis, mas não são invencíveis. E, como dentro de uma quadra, a psicologia esportiva ajuda a deixá-los para trás a partir de métodos como "concentração da mente para o domínio do nervosismo, da insegurança e das distrações", ensina o livro, que também mostra cartas na manga como a técnica de “concentração relaxada”. Veja dez conceitos que vão revolucionar a vida profissional:



1) Relacionamento consigo mesmo

Não é difícil observar que muitos profissionais falam consigo mesmos. Mas, nesse caso, quem seria “eu” (Ser 1) e quem seria “comigo mesmo” (Ser 2)?


Não é difícil observar que os dois são entidades separadas. O primeiro parece dar as instruções; o outro parece executar as ações. Em outras palavras, a chave para ter um bom desempenho está em melhorar o relacionamento entre o instrutor consciente, Ser 1, e as capacidades naturais do Ser 2.


2) Não se esforçar em excesso

Desde criança as pessoas ouvem que nunca conseguirão nada se não se esforçarem muito. Então, o que Timothy Gallwey quer dizer quando fala que alguém está se esforçando em excesso? Seria melhor se esforçar menos?

Estar estimulado é necessário, mas, mais importante ainda é perceber a diferença entre esforço excessivo, que é utilizada pelo Ser 1, e o esforço adequado, utilizado pelo Ser 2. Como resultado, a segunda opção pode realizar o trabalho sem ser criticado, e o resultado é positivo. E, assim, o Ser 1 começa a reconhecer o talento do Ser 2, fazendo um trabalho em conjunto.


3) Concentração relaxada

O trabalho mental, visto no exemplo anterior, requer o aprendizado de algumas habilidades interiores, como 1) ter uma clara visualização dos resultados desejados; 2) confiar no bom desempenho do Ser 2 e aprender com seus sucessos e fracassos; 



Esse trabalho é mais eficaz do que o esforço e prática exaustiva. Todos os outros fundamentos são coadjuvantes em relação à principal habilidade, sem a qual nada de valor é conquistado: a arte da concentração relaxada.


4) Sem ego

O ponto crucial para um profissional ser bem sucedido é silenciar o constante pensamento ativo do ser 1, o ego, que interfere diretamente nas habilidades naturais do Ser 2. A harmonia entre os dois seres acontece quando esse pensamento está silencioso e focado em algo. Só aí é possível atingir um desempenho de alto nível.



5) Mente tranquila e silenciosa

As pessoas adoram reflexões, mas as grandes conquistas acontecem quando não há muito cálculo e raciocínio. Talvez por esse motivo alguns digam que a poesia grandiosa nasce do silêncio. A boa música e a arte surgem das profundezas silenciosas do inconsciente, e o verdadeiro sentimento do amor é expresso em um campo além das palavras, gestos e pensamentos. E é assim no meio corporativo; os grandes resultados aparecem quando a mente está silenciosa e em paz.




6) Livre-se dos julgamentos

Uma habilidade a ser desenvolvida para o desempenho do Jogo Interior é a consciência livre de julgamentos. Quando deixamos de julgar, descobrimos, para nossa surpresa, que não precisamos de motivação para mudar os hábitos “ruins”. É preciso simplesmente estar mais consciente. Existe um processo natural de aprendizado e de desempenho. Basta descobri-lo. E esse processo pode ser muito eficaz se realizado sem a interferência do esforço consciente excessivo de seus julgamentos.


7) Confie em si

O Ser 1 costuma ignorar as capacidades do Ser 2, e isso dificulta o processo de aquisição de autoconfiança. Essa falta de confiança é a principal causa de interferências, como o excesso de esforço e de instruções. Deve-se, portanto, estabelecer uma relação de confiança interna, ou seja, confiar em si.



8) Mudar hábitos

O objetivo é utilizar o método do Jogo Interior para colocar em prática as mudanças que você busca, fazendo com que elas se tornem naturalmente parte de seu trabalho. As dicas estão por toda parte e podem ser boas ou ruins. O problema é encontrar uma maneira eficaz de fazer uso dessas dicas para substituir um comportamento antigo por outro novo. O processo de mudança de hábito é um dos mais complexos para um profissional. Depois que se aprende este processo, fica mais fácil escolher um costume especifico e mudá-lo. Ou seja, depois que se aprende a aprender, basta aprender o que vale a pena.



9) Ter foco

Os anos de experiência do autor Timothy Gallwey mostraram que a melhor maneira de silenciar a mente não é mandá-la ficar quieta, nem brigar com ela, e menos ainda criticá-la por fazer julgamentos sobre você. Lutar com sua própria mente não funciona. O que funciona é ensiná-la a ter foco. Quanto mais dominar a arte de trabalhar com ele, mais benefício terá, seja qual for a área de interesse.




10) Estabilidade interior

É possível que a qualidade mais importante em um ser humano nos dias de hoje seja a capacidade de manter a calma em ambientes que estão em constante mudança.

As pessoas que terão mais sucesso em nossa era são as que o filósofo Kipling descreve como “aquelas que conseguem manter a cabeça enquanto todos os outros a estão perdendo”, diz Gallwey.

Não se conquista estabilidade interior enterrando a cabeça na terra quando surge o perigo; deve-se adquirir a habilidade de enxergar a verdadeira natureza do que está acontecendo e responder de maneira apropriada. Dessa forma, a reação do Ser 1 não afetará o equilíbrio interior, nem sua clareza.


Sobre o autor:

Timothy Gallwey foi capitão da Harvard University Tennis Team em 1960. Em 1971, então professor de tênis profissional na Califórnia, começou a perceber que os muitos pensamentos que passavam pela cabeça de seus alunos os estavam impedindo de ter atenção e foco. Por meio de experiências e resultados surpreendentes, obtidos através da formação de uma nova consciência em cada jogador, fundou as bases da psicologia esportiva com o “jogo interior do tênis”. Com suas interessantes histórias, que são suas principais ferramentas de ensino, tornou-se o guru do Jogo Interior, uma filosofia que cresceu e ganhou proporções que excedem o mundo esportivo, podendo até determinar o estilo de vida de um indivíduo. A eficiência de seus fundamentos foi comprovada no ski, no golf, na música, nos negócios. Gallwey é conhecido como o fundador do conceito Coaching, a ferramenta mais utilizada nos dias de hoje para desenvolvimento de pessoas e que deu origem posteriormente ao coaching de negócios, coaching de vida e coaching executivo. Atualmente, ele vive em Agoura Hills, Califórnia. Há cerca de 20 anos apresenta a metodologia do Jogo Interior em empresas que buscam as melhores formas de gerenciar mudanças. Seu best seller mundial, O Jogo Interior do Tênis, é um dos livros de esporte mais importantes de todos os tempos e merece ser lido por aqueles que querem vencer, dentro ou fora das quadras.