Empregos

Lojas da Baixa dos Sapateiros oferecem 1,5 mil vagas temporárias

Quem quer emprego na Baixa dos Sapateiros pode procurar um balcão da Albasa instalado dentro da HB Tecidos - ou direto nas lojas que contratam

Correio 24h

Um dos mais tradicionais pontos de comércio de Salvador, a Baixa dos Sapateiros parece começar a avançar para outro momento. Nas ruas, clientes dividem as calçadas com candidatos às vagas de emprego, que levam currículos para as lojas.

Para a temporada de final deste ano, a Associação de Lojistas da Baixa dos Sapateiros e Barroquinha (Albasa) estima conseguir colocar 1,5 mil pessoas para trabalhar nas 350 lojas, a maioria de comércio popular, que funcionam na região. Hoje, segundo a Albasa, há cerca de mil trabalhadores fixos no comércio do local.

Sinal de que há esperança em que as crise melhore por lá é a abertura de novos estabelecimentos. Não foi só o movimento de final de ano, por exemplo, que levou a HB Tecidos a se instalar por lá. A loja começou a funcionar há dois meses na avenida, quando a proprietária apostou na localização e nas boas condições da região para abrir uma filial.

Somente lá foram contratados dez novos funcionários. A lojista Ivoneide Almeida conta que chegou a abrir uma unidade na Avenida Sete de Setembro. “Tivemos uma loja na Avenida Sete, mas a Baixa do Sapateiros foi mais acolhedora, tanto a Albasa como os outros lojistas e as pessoas aqui da região. Nós já estamos percebendo uma movimentação maior e nossa pretensão é encher essa loja aqui, ampliar e também fazer um nicho de decoração”, conta.

Fila de candidatos

Quem quer emprego na Baixa dos Sapateiros pode procurar um balcão da Albasa instalado dentro da HB Tecidos, a partir das 9h - ou direto nas lojas que contratam. O ir e vir de interessados chama a atenção. Para Caroline Leão Jesus, 23 anos, essa é a chance de voltar a trabalhar depois de quase um ano.

“Já trabalhei em lojas de roupas, de tecidos, mas estou disposta a trabalhar em qualquer loja e ter mais uma experiência na carteira de trabalho”, disse. Sem emprego, ela tem vendido roupas para conseguir pagar as contas e manter o filho de 1 ano e 7 meses.

Segundo Ruy Barbosa, as oportunidades são para vendedores, estoquistas, segurança e operadores de caixa. Após a entrega dos currículos, a Albasa seleciona e distribui para as lojas conforme os perfis.

E eles são variados, desde quem tem experiência com vendas a quem nunca trabalhou em lojas, como é o caso de Atevaldo Souza Passos, 47, há dois anos sem carteira assinada: “Tenho vivido com a ajuda de amigos e familiares para pagar as contas e o financiamento da minha casa. Resolvi tentar”.

Já Francisco dos Santos, 55, está há quatro anos sem trabalho fixo. Para se sustentar, tem trabalhado como ambulante no Barradão. “Eu topo qualquer coisa, se for estoquista, carga e descarga, vendas, segurança. Aceito qualquer vaga”, diz.

Proatividade

Caso não haja experiência na área, é preciso ter disposição para aprender. “Precisa se esforçar, ter um bom desempenho, um bom atendimento com os clientes, uma boa comunicação. E, acima de tudo, tem que ter vontade e ser proativo”, aconselha Ruy Barbosa.

E foi a força de vontade que impulsionou Marcos Chagas, 36, a conseguir uma vaga de auxiliar de serviços gerais. “Estava há cinco meses desempregado, com a minha mulher grávida e sem condições financeiras”, lembra.