Empregos

Veja como se preparar para concursos da área bancária previstos para este ano

É possível aumentar as chances de conseguir um emprego se preparando para as provas

Ana Clara Veloso, da Agência O Globo

O desejo de Maurício Martins, de 27 anos, é assumir um posto no Banco Central do Brasil (Bacen). Sem a confirmação da seleção para este ano, porém, ele não descarta se inscrever em concursos similares que surgirem. A decisão depende da afinidade entre as disciplinas cobradas e a distância temporal até a prova de seu objetivo principal. Essa é a estratégia adotada por muitos concurseiros.

Com as expectativas para este ano das aberturas de processos como o do Banco do Brasil (BB), da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), da Secretaria do Tesouro Nacional (STN) e da Superintendência de Seguros Privados (Susep) — que são vistos em alguns cursos preparatórios como componentes de uma grande área, a bancária —, é possível aumentar as chances de conseguir um emprego.

— Eu fazia concursos para a área jurídica, mas percebi que a bancária era uma tendência para esses anos e tinha uma concorrência menor. Conhecidos que já trabalham nesta área também me recomendavam, pela estrutura e organização. Além disso, há benefícios comuns a todos os concursos: a tranquilidade maior em comparação à instabilidade de estar empregado em uma empresa privada; e receber uma remuneração mais elevada — compara Martins.

Segundo o professor Leonardo Chucrute, diretor-geral do Colégio e Curso Progressão, todos os concursos citados têm disciplinas em comum e é possível estudá-las antes mesmo da publicação dos editais: — Português, Matemática e Conhecimentos Bancários são disciplinas em comum. Então, os interessados podem começar estudando por elas. Para saber o que é mais cobrado, é interessante se guiar por provas anteriores dos concursos. E como as seleções não acontecem simultaneamente, em geral, ter a base de todos permitirá focar nas disciplinas específicas quando um edital for publicado. E se aperfeiçoar de acordo com o concurso do momento. Concurso é uma grande fila, digo para meus alunos que eles têm que entrar nela — afirma o professor.

Direito Administrativo, Direito Constitucional, Raciocínio Lógico, Informática, Atendimento e Ética são algumas das disciplinas que também aparecem em várias seleções.

Leis que devem ser cobradas

Para ajudar os concurseiros iniciantes, o professor de Conhecimentos Bancários do Gran Cursos Online, Cid Roberto Alves, destaca algumas leis para serem estudadas: — Enquanto não saem os editais dos concursos, a gente identifica alguns conteúdos bancários que comumente são cobrados em todas as provas: a Lei 4.595, de 1964, que estruturou o sistema financeiro nacional; a Lei 6.404, que trata das Sociedades Anônimas (S.A.); a Lei 6.385, de 1976, que trata da Comissão de Valores Mobiliários. Claro que algumas serão exigidas em questões com maior profundidade de conhecimento, como a lei da CVM no concurso da Comissão, mas aparecem questões sobre ela em todos os concursos desta área.

A dificuldade de uma questão também pode variar de acordo com o nível de escolaridade do cargo pretendido e, consequentemente, do salário que está em jogo. — É muito comum em concursos de nível médio e superior, os conteúdos pedidos serem os mesmos, mas com graus de dificuldade diferentes. Por isso, quem se prepara para o cargo de nível superior de um concurso também pode se candidatar ao de nível médio em outro — afirma o professor Cid Roberto.

Cuidado com conteúdos que sofreram atualização

Apesar de provas anteriores de concursos serem um guia para os concurseiros, o professor Cid Roberto Alves alerta que é preciso tomar cuidado para não considerar corretos conteúdos desatualizados. O estudante precisa saber quais são as matérias que foram alvos de mudanças recentes.

— Por exemplo, o sistema financeiro nacional mudou com o novo governo federal. O presidente criou um superministério, o da Economia, que absorveu o Ministério da Fazenda, o Ministério do Planejamento e Desenvolvimento, entre outros. Então, as demandas que eram deles passam a ser reportadas ao Ministério da Economia. Isso acaba alterando questões antigas — explica Cid, que cita alguns exemplos de mudanças: — O Conselho Monetário Nacional (CMN) teve, em outra época, 10 membros. Há muito tempo tem apenas três, mas dependendo do ano da prova que o estudante acessar para estudar, pode aprender errado. Recentemente, o cheque especial passou a poder ser cobrado e os juros cobrados foram limitados. E por aí vai...

Ele acrescenta que, muitas vezes, as informações equivocadas estão até em sites dos governos, que acabam não fazendo a atualização. Para não se deixar levar pelos supostos dados oficiais e errar questões, Cid recomenda aos candidatos que façam parte de grupos virtuais de concurseiros e acompanhem sites de cursos e professores da área com credibilidade: — O Gran Cursos Online tem um grupo chamado “Carreiras Bancárias” no Facebook. Qualquer um pode entrar e os professores estão sempre postando conteúdos também. São formas gratuitas de se manter atualizado — afirma o professor Cid.

Os concursos previstos

Ao todo, mais de 700 vagas são previstas nestas seleções (entenda abaixo). Silene Rocha, coordenadora pedagógica da Central de Concursos, também aponta para a necessidade de analisar o perfil dos postos disponíveis.

— Em todos os editais, vêm publicadas quais as atribuições dos cargos disponíveis. Por exemplo, caso queira prestar concurso para área bancária, analise as atribuições dos cargos e veja se você se imagina exercendo as atividades em um banco, como atendimento ao público, vendas de produtos financeiros e rotinas administrativas. Consideramos que os concursos da área bancária são os de bancos propriamente ditos, como Banco do Brasil e Caixa Econômica. Esses são muito procurados devido à carga horária de trabalho, em geral, menor que das outras áreas, benefícios oferecidos e planos de carreira. Já os atrativos da Secretaria do Tesouro Nacional e da Susep são salários maiores para os cargos de nível superior — exemplifica.