Encantos do Comércio

Embarcações naufragadas na Baía de Todos os Santos são atrativos turísticos no Comércio

Pelo menos seis navios estão naufragados nas águas da Baía

Especial de Conteúdo
- Atualizada em
Oferecimento
Para o turista mais básico, visitar Salvador inclui conhecer os principais pontos, como Pelourinho, Farol da Barra e Igreja do Bonfim, e tomar um banho de mar nas águas calmas do Porto da Barra. Mas a capital baiana, em especial a Baía de Todos os Santos, tem atrativos bastante conhecido e buscado por um nicho específicos: os mergulhadores.

Embarcações naufragadas na Baía atraem mergulhadores em busca de novas descobertas. Em abril deste ano, o Governo do Estado anunciou que o ferry-boat Agenor Gordilho será naufragado para passar a servir de atração para o turismo de mergulho. O naufrágio controlado deve acontecer em outubro desse ano na Baía de Todos os Santos, na região entre o Yatch Clube e do Corredor da Vitória.

Além do Agenor Gordilho, mais seis embarcações estão naufragadas nas águas da Baía de Todos os Santos e disponíveis para serem exploradas. Na região do Porto de Salvador, no Comércio, as embarcações East Indiaman Queen, Maraldi e Cavo Artemidi são as atrações.
Foto: Cavo Artemide / Divulgação / Prefeitura de Salvador
O East Indiaman Queen, um navio da Companhia das Índias Orientais naufragou em 1800 após um incêndio acidental, quando estava ancorado no porto de Salvador. Setenta e cinco anos depois, o Maraldi naufragou ao entrar no porto de Salvador para abastecer-se de carvão, água e comida. Por fim, o cargueiro Cavo Artemidi afundou em 1980 quando saia do porto em direção à Inglaterra.

Outras opções na Baía são o Reliance e Santíssimo Sacramento. Reliance, um navio a vapor, foi construído em 1883. Quando naufragou, após uma tempestade, ia do Rio de Janeiro para Nova York com escala no porto de Salvador. Os passageiros e tripulação se salvaram, mas das 5,5 toneladas de café transportadas apenas metade foi recuperada. A embarcação naufragou na Ponta das Quintas, entre o Farol da Barra e São Lourenço, atualmente Morro do Cristo.

O naufrágio do navio português Santíssimo Sacramento está ligado à construção do Farol da Barra, que foi erguido após o acidente para sinalizar a outros navios dos perigos submersos nas águas da Baía de Todos os Santos. O naufrágio aconteceu em 1668 após colidir com a crista do Banco de Farol.

Quem pode mergulhar
A boa notícia é que conhecer as embarcações naufragadas pode ser mais fácil do que se pensar. Não é preciso ter experiência prévia em mergulho para conhecer determinados navios. Dependendo da profundidade das embarcações, não é necessário realizar um curso de mergulho.

Para maiores profundidades, é necessário ter experiência prévia, ou seja, ter realizado um curso. Na capital, escolas como Galeão Sacramento, Bahia Scuba e Dive Bahia são algumas opções para aqueles que têm interesse em cursos ou mergulhos.

Quebra-mar
Além das embarcações naufragadas, na região do Porto de Salvador, no Comércio, outra atração para os amantes de mergulho é o quebra-mar. Localizado em frente ao porto, possui grande extensão e é um ponto famoso por sua exuberância de cores.

A quantidade, qualidade e diversidade da vida marinha, com corais e invertebrados, faz do local um dos melhores para a prática do mergulho. É recomendável também para mergulho noturno e a profundidade varia de 4 a 10 metros.