Cinema

‘A Última Coisa que Ele Queria’ é um confuso desastre

Mesmo com elenco premiado, filme da Netflix é puro desperdício

Heyder Mustafá* ((heyder.mustafa@redebahia.com.br))
- Atualizada em

A Netflix conseguiu fazer o impossível: juntar um elenco talentoso e premiado para fazer um filme confuso, desinteressante e previsível. Assim é ‘A Última Coisa que Ele Queria’, estrelado por Anne Hathaway, Ben Affleck e Willem Dafoe. Os atores até se esforçam para tornar o filme assistível, mas esbarram em um roteiro armengado, sem nexo, cujo final tosco provoca risos ao tentar ser dramático e poético.

O longa é baseado em um livro homônimo e conta a história de uma jornalista investigativa que apura o envolvimento do governo norte-americano no tráfico de armas para países da América Central em guerra. A história até possui contornos interessantes e se apresenta inicialmente com um thriller, mas logo um balde de água gelada é despejado na audiência, que se depara com um enredo desnorteado e a cada minuto mais desinteressante.

A direção capenga e apressada de Dee Rees é determinante para a tragédia. A promissora diretora, responsável pelo sucesso do excelente ‘Mudbound: Lágrimas Sobre o Mississippi’, mete os pés pelas mãos neste novo projeto e faz um dos piores filmes de sua carreira. ‘A Última Coisa que Ele Queria’ é constrangedor por vários motivos, mas principalmente por colocar na tela uma adaptação tão malfeita e por desperdiçar talentos num projeto cansativo e confuso.

É constrangedor acompanhar a epopeia mal narrada da protagonista envolvida nas investigações para sua série de reportagens e nos negócios escusos do pai, ao tempo que abandona a cobertura da corrida presidencial de 1984. Do começo ao fim, o longa é uma bagunça de erros inadmissíveis para quem já dirigiu um filme com três indicações ao Oscar. Para fechar, a cereja podre do bolo solado é assistir ao desastroso e bizarro final da história

‘A Última Coisa que Ele Queria’ é a prova de que um bom elenco e uma diretora experimentada nem sempre garantem um bom produto. Depois de gerar muita expectativa, a mais nova aposta da Netflix só teve outro êxito: frustrar o espectador. Lamentável!

Heyder Mustafá é jornalista e produtor cultural formado pela UFBA, editor de conteúdo da GFM e Bahia FM, apresentador do Fala Bahia e apaixonado por cinema, literatura e viagens.