Turismo

Aéreas de baixo custo já chegaram ao Brasil; saiba que rotas elas operam

Empresas voam para Londres e Santiago. Congresso decide nesta quarta se passageiro deve pagar para despachar mala

Leo Branco, da Agência O Globo
- Atualizada em

Nos últimos meses, cinco empresas estrangeiras de baixo custo , as chamadas 'low costs', desembarcaram no Brasil. Duas delas já iniciaram operações: a norueguesa Norwegian Air e a chilena Sky Airlines. No entanto, a proliferação de companhias aéreas de baixa tarifa pelos céus do Brasil pode minguar: em seção nesta quarta-feira, o Congresso Nacional pode determinar a volta da gratuidade para o despacho de bagagem em voos domésticos no país, a chamada de franquia mínima.

Foto: Divulgação

Especialistas afirmam que a cobrança de bagagem é fundamental no modelo de negócios das empresas de baixo custo. Além da Norwegian Air e da Sky Airlines, uma terceira, a argentina FlyBondi, começará a voar em outubro. Na terça-feira, a chilena Jet Smart conseguiu autorização da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para operar no Brasil.

Uma quinta, a espanhola Globalia, aguarda aval da agência reguladora para voos domésticos no país. Veja, abaixo, quais são as empresas que já atuam no país ou estão em vias de iniciar suas operações

Norwegian Air

A empresa norueguesa é a terceira maior companhia aérea de baixo custo da Europa e havia dado entrada no pedido de autorização para operar no Brasil em julho do ano passado.

Rotas - O voo oferecido pela Norwegian tem a vantagem do preço - a tarifa gira em torno de US$ 349,90 - e de ser direto. Mas tem o incômodo de pousar no aeroporto de Gatwick, afastado do centro de Londres. Também não está incluído na tarifa o despacho de bagagem nem refeições.

Sky Airlines

A chilena começou a operar no país no fim de 2018.  A autorização operacional — requisitada pela Sky Airline em agosto e concedida em outubro do ano passado— foi a última das três etapas que uma empresa estrangeira necessita para operar voo regulares no Brasil.

Rotas - A empresa oferece voos entre os aeroportos Internacional Comodoro Arturo Merino Benítez, em Santiago, no Chile, e o Internacional do Galeão, no Rio de Janeiro.

FlyBondi

A Flybondi informou que iniciará suas operações em espaço aéreo brasileiro em outubro deste ano. A autorização de funcionamento no país foi concedida pela Anac em fevereiro deste ano.

Rotas - Inicialmente, a Flybond fará três voos semanais, ligando a capital argentina Buenos Aires ao Rio de Janeiro.  Ela será a terceira empresa aérea low cost a voar no país, após o início das operações da chilena Sky Airline e da europeia Norwegian.

Jet Smart

A low-cost chilena recebeu, na última terça-feira, autorização da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para iniciar operações no Brasil. A Jet Smart se descreve como uma aérea de ultrabaixo custo. Sua passagem inclui apenas o transporte e a bolsa de mão. Os demais serviços são adquiridos à parte. A aérea, que já opera em Argentina, Chile e Peru, pertence ao fundo americano Indigo Parnters, que controla ainda companhias como a americana Frontier Airlines, a mexicana Volaris e a húngara Wizz Air.

Rotas - A empresa aérea planeja ter voos internacionais ligando Chile e Argentina ao país.

Globalia

A Globalia, gigante do turismo espanhol e dono da Air Europa aguarda aval da agência reguladora para atuar no país.

Rotas - A Globalia foi a primeira empresa com capital totalmente estrangeiro a ter autorização da Anac para operar no mercado doméstico do país.  Com isso, deve oferecer voos domésticos, mas não se sabe ainda em quais rotas.