TV

Are You The One? Brasil estreia nessa quinta e tem dois baianos

O assistente de mídia Felipe Bêribá e o publicitário Vanderlei Nagô representam o estado no reality de pegação e namoro

Naiana Ribeiro, do Correio 24h (naiana.ribeiro@redebahia.com.br)

Se o amor da sua vida estivesse na sua frente, você reconheceria? Essa é pergunta que norteia o reality show Are You The One? Brasil, que estreia sua quarta temporada na quinta-feira (22), às 22h, na MTV Brasil - canal presente nas principais operadoras de TV por assinatura.

Foto: Divulgação

Apresentado por Caio Castro, o programa - que envolve muito romance, diversão e pegação - mostra o dia a dia de 21 jovens solteiros (11 homens e 10 mulheres) isolados por dez semanas em uma mansão na paradisíaca Búzios, no Rio. Eles têm um objetivo: encontrar o seu já definido “par ideal”, o chamado match.

Pela primeira vez, o programa conta com um solteiro a mais na casa. Por isso, uma das meninas terá dois pares ideias, o que deixa a disputa ainda mais difícil, já que os jovens só ganham o prêmio de R$ 500 mil se todos acertarem seus pares ideais. Outra novidade é a participação de dois baianos: o assistente de mídia Felipe Bêribá, 26 anos, e o publicitário e barman Vanderlei Nagô, 27. 

“Como estou há sete anos solteiro, meu principal objetivo era encontrar meu par ideal. Mas, é claro, também queria grana”, conta Nagô, que ficou confinado na mansão por um mês junto com os outros participantes. Ele revelou ter passado por altos e baixos na competição, principalmente por conta da convivência com indivíduos diferentes entre si: “É muito difícil conviver com pessoas 24 horas. A gente aprendeu a lidar com os outros. Os relacionamentos  sempre foram um vai e vem: entrei em discórdias  e fiz de tudo um pouco. O quartão que a gente dormia era coisa de louco”.

Foto: Divulgação

Além de entender melhor o outro, o publicitário diz ter enfrentado vários desafios. “Às vezes as coisas ficam monótonas, porque não temos um ponto de fuga. Não podemos usar celular, nem assistir TV e ouvir música. Saí do jogo com mais foco”.

Vanderlei deu nome e sobrenome e ‘meteu dança’:

“Como um bom baiano,  amo dançar e não vivo sem música. Eu era o baiano ‘raiz’,  por conta do sotaque e da personalidade, enquanto Felipe era o ‘nutella’. Eu falo gírias, curto Pelourinho, etc, e ele vai curtir Asa de Águia no Alto do Andu. A gente se complementa (risos)”, resume. 

Bêribá define a participação no reality de namoro como uma experiência única: “Foi incrível. Gosto de estar com outras pessoas e quebrei o paradigma de que baiano é preguiçoso e mole”.

Foto: Divulgação

Provas

Ambos concordam que o confinamento é muito intenso. “Tudo é aflorado. Vamos do amor ao ódio em  um segundo”, define Felipe. 

A pegação, as brigas e provas fazem com que esse seja um dos maiores sucessos de audiência da MTV Brasil. Tanto é que o canal  está investindo forte em realities de namoro e sexo. “São formatos que funcionam em todos os canais, cada um com seu recorte. Com o nosso público – a maior parte de mulheres entre 18 e 34 anos – o tema relacionamento é o que mais interessa”, afirma a diretora de produção e desenvolvimento Elisa Chalfon. 

No Are You The One?, toda semana os casais passam por uma prova. Os vencedores podem escolher de dois a três casais para irem para um passeio, que é como um encontro: “Os que ficam na casa votam em qual deles vai para cabine da verdade. Isso cria um conflito ao longo da série, porque essa é a única forma de saber se aquele par é ideal ou incompatível. Num outro dia, acontece a cerimônia dos pares. Nela, os participantes descobrem quantos casais estão certos, mas não sabem quais. Até o último episódio, eles têm que acertar os dez pares”.



Por trás da pegação desenfreada que  acontece no programa, há o trabalho de uma psicóloga e psicanalista que ajuda a escolher os pares ideais a partir do cruzamento de diversos resultados, entre eles um questionário com mais de 100 perguntas, além de um algoritmo que indica a porcentagem de compatibilidade do casal e um teste da personalidade aprovado pelo Conselho Federal de Psicologia. 

“Não sabemos que critérios definem o par ideal; se são as semelhanças ou a complementaridade. Por isso, apesar de ser racional, joguei com o coração. Gosto de me desafiar e odeio  perder, mas até  quando perco, vejo que tudo tem lado bom”, diz Felipe. Ao contrário dele, Nagô traçou uma estratégia: “Usei o ‘feeling’, mas nem sempre bastava”.

Padrão estético

A atração física entre os participantes também falou alto. Contribuiu para isso o   padrão estético  levado em consideração na escolha dos participantes. “O corpo não é necessariamente um critério. Mas as pessoas gostam de ver ‘gente bonita’ na TV.

Tentamos uma variedade de corpos e personalidades, mas obviamente existe um padrão”, confessa Elisa. Segundo ela, não houve restrição quanto a orientação sexual dos participantes. “Tivemos que sair de uma premissa (casais heterossexuais) para fechar a análise combinatória. Mas há participantes que são bissexuais”, justifica. 

Nagô, um dos três negros da edição, considera que a diversidade do programa precisa aumentar:

“Aos poucos, vamos aumentando a representatividade na mídia. Já temos mais séries e filmes com negros e transgêneros, por exemplo. Poderia ter mais negros? Sim, porque sabemos que existem muitos no Brasil.

O programa tem que mostrar negro, branco, amarelo, pessoas de corpos não-atléticos, de alturas diferentes. Também seria legal ter pessoas de diferentes orientações sexuais, porque precisamos acabar com esses preconceitos. Como é um reality, sei que é atrativo colocar ‘corpos legais’ e atléticos na TV. Mas pessoas de corpos diferentes também são atrativas”, diz.

O que é: o Are You The One? Brasil é a versão nacional do reality show criado na MTV do Reino Unido. Na quarta temporada, 11 homens e dez mulheres são confinados em Búzios, no Rio, e têm de encontrar seus pares ideais. Uma das mulheres terá dois homens como par. Em dez semanas, eles precisam descobir todas as dez combinações para ganhar R$ 500 mil. Estreia nessa quinta (22), às 22h, na MTV Brasil.