Cinema

"Capitão América - O Primeiro Vingador" é a grande estreia da semana

No circuito Sala de Arte, entram em cartaz "Lola" e "5 Dias Sem Nora"

Emília Oliveira (emilia.oliveira@redebahia.com.br)
- Atualizada em

Uma das personagens mais emblemáticas das histórias em quadrinhos chega as telas de cinema nesta sexta-feira, 29. As aventuras de um super-heroi patriota, em meio aos conflitos da Segunda Guerra Mundial, são contadas em "Capitão América - O Primeiro Vingador". Com direção de Joe Johnston (O Lobisomem), o longa-metragem mostra a transformação do jovem franzino Steve Rogers no supersoldado musculoso que assume a identidade do heroi da Marvel Comics.


A trama inicia em 1940, quando Rogers, inspirado por uma propaganda que mostra a ascensão nazista na Europa, alista-se no exército. Mas, por conta de sua saúde frágil, é rejeitado. O rapaz sonha em servir nas tropas americanas e seu bom coração e coragem fazem com que ele seja o candidato perfeito para um perigoso experimento do exército. O General Chester Phillips oferece a ele a oportunidade de ser transformado em um supersoldado por meio de um novo soro.


Nos Estados Unidos, "berço" do Capitão América, as bilheterias estouraram. Lá, o filme estreou na sexta-feira, 22, e, em seu primeiro fim de semana, arrecadou US$65 milhões. Parece que a aposta da Marvel Studios, que investiu cerca de US$ 140 milhões na produção, tem tudo para dar certo. Estrelado por Chris Evans, o filme traz ainda Tommy Lee Jones, como General Chester Phillip, e Hugo Weaving, como Caveira Vermelha, no elenco.


Na HQ, o Capitão América é congelado depois de uma batalha e, décadas depois, no século XXI, é "despertado" para compor "Os Vingadores", turma que reúne grandes herois da Marvel. Capitão América, Homem de Ferro, Hulk e Thor formam um grupo que luta contra temíveis vilões do mundo atual. Certamente essa parte da história de Steve Rogers será contada no final do filme, já que a Marvel anunciou a produção de "Os Vingadores".Outras estreias - No circuito Sala de Arte, as estreias são "Lola" e "5 Dias Sem Nora". O francês "Lola" conta a história de duas senhoras que enfrentam as consequências de um crime envolvendo os respectivos netos: um é a vítima, outro o suspeito. Pobres e desprotegidas, ambas vão às ruas pedir dinheiro, cada qual com um objetivo. Na trama de "5 Dias Sem Nora", uma mulher conservadora elabora, antes de morrer, um plano para que seu marido cuide de seu velório. A sala Alexandre Robatto exibe de 1 a 4 de agosto duas ficções científicas no melhor estilo "filme B", que resgatam os primeiros trabalhos cinematográficos de Peter Bogdanovich ("A Última Sessão de Cinema") e Curtis Harrington ("Los Angeles – Cidade Proibida"). Já na Walter da Silveira, entra em cartaz o longa francês "Xeque-Mate".