Turismo

Cinco casas nada óbvias da Bahia para incluir no roteiro turístico

De casas ufológicas e de arquitetos conceituados até locais que viraram museus e que atraem apaixonados por arte e história, confira ambientes para mergulhar na cultura local

Catarina Barbosa e Vanessa Brunt, do Não Óbvio
- Atualizada em

São diversas as diferentes arquiteturas que as casas baianas podem apresentar. Cores, desenhos e materiais diferenciados deixam claros os fatores históricos e distinguem suas moradas das demais. Alegria e aconchego se misturam com o clima tropical para o interior dos ambientes. Nos tempos atuais, ainda é possível notar excentricidades nas construções – que estão a cada dia mais modernas e inusitadas.

Muitos proprietários colocam em seus lares características marcantes, causando curiosidade por quem passa aos arredores. Alguns deles se tornam tão ímpares que são abertos para visitação do público.

Seja para os apaixonados por arquitetura e decoração ou para os loucos por detalhes históricos e curiosidades, essas edificações inusitadas fazem parte do roteiro que o NÃO ÓBVIO trouxe para quem estiver pela Bahia caçando mais cultura. Confira, sem ordem de preferência:

1. Casa de Frans Krajcberg | Nova Viçosa
Frans Krajcberg foi um artista múltiplo: pintor, escultor, gravador, fotógrafo e artista plástico. Polonês, mas naturalizado brasileiro, ele deixou a Polônia na época da Segunda Guerra Mundial, quando sua família morreu em um campo de concentração, para morar na antiga União Soviética. Entretanto, só foi chegar ao Brasil em 1948, mas naturalizando-se brasileiro apenas em 1957.
Foto: Tatiana Azeviche/Setur BA
Krajcberg foi um notório ativista ambientalista e, em 1972 morou em Nova Viçosa, sul da Bahia, a convite do arquiteto baiano Zanine Caldas, onde ficou até sua morte. Lá, ele criou seu ateliê Sítio Natura, também conhecido como Casa Frans Krajcberg e em 2001 começou o projeto de torná-lo um museu.

Seu espaço cultural conta com casa na árvore. É um ambiente voltado muito para a natureza, um reflexo do ativismo que o artista possuía pelo meio-ambiente. Ele transformou o lugar em uma RPPN, uma unidade de preservação ambiental.
Tatiana Azeviche/Setur BA
O local é uma opção para aqueles que se interessam por arte, arquitetura, ativismo ambiental e que querem conhecer um pouco mais sobre o artista e sua vida. O Museu Krajcberg fica dentro do Sítio Natura, o antigo ateliê do artista. O acesso, entretanto, é feito apenas por agendamento.

SERVIÇO:

☌ Onde: Nova Viçosa, a 814 km de Salvador.
☌ Horários: as visitas são feitas através de agendamento.
☌ Contato: E-mail: naturafk@hotmail.com | WhatsApp: (73) 99322433 | Telefone: (73) 999860120 | Procurar por Marlene Figueredo Gonçalves.

2. Conjunto Arquitetônico Coaty | Salvador
Lina Bo Bardi foi uma arquiteta modernista, nascida na Itália e que naturalizou-se brasileira. A artista, junto com seu marido Pietro Bardi, veio ao Brasil em 1946 e ambos se encantaram com o país. Em 1951, após um convite de Assis Chateubriand, o Chatô, para que Pietro fizesse e coordenasse um museu de arte moderna, Lina concluiu seu primeiro projeto: a Casa de Vidro, localizada em São Paulo.
Foto: Reprodução
Porém, em 1958, a arquiteta foi para Salvador dar conferências na Escola de Belas Artes da UFBA. Por causa desses eventos, ela foi convidada para desenvolver o projeto de restauração do Solar do Unhão e coordenar o Museu de Arte Moderna da Bahia (MAM – BA). A artista também assina o projeto do Conjunto Arquietônico Coaty.

O espaço fica na Ladeira da Misericórdia, de frente para a Baía de Todos os Santos. O conjunto foi reformado recentemente e reaberto em junho de 2019, após três anos fechado. O ambiente foi inaugurado no final dos anos 1980 e fez parte do Plano de Recuperação do Centro Histórico de Salvador. Atualmente, ele contém concertos e experimentações sonoras do grupo InstruMentes até o final de setembro (saiba mais sobre a exposição interativa).

☌ Veja mais fotos do local no Instagram (@nao.obvio).

SERVIÇO:
☌ Onde: Salvador.
☌ Endereço: Ladeira da Misericórdia, Centro Histórico de Salvador.
☌ Horários: quarta a domingo, das 9h às 18h (até 1º de setembro). | Verificar após os novos horários com o grupo InstruMentes.
☌ Contato: instrumentes.prod@gmail.com | (71) 99961-3560.
☌ Valor: entrada gratuita.

3. Casa Hansen Bahia| São Félix
A Casa Museu e Memorial dos Hansen, localizada em São Félix, no recôncavo baiano, é o local em que o artista Karl Heinz Hansen morou com sua esposa, Ilse. O artista alemão, naturalizado brasileiro, estudou arte na Alemanha, além de fazer cinema e literatura. Sua carreira como artista, entretanto, só começou após a Segunda Guerra Mundial. Sua principal técnica era a da xilogravura.
Foto: Tatiana Azeviche/Divulgação
Hansen se identificou tanto com a Bahia que adotou o nome Hansen Bahia. Ele e a esposa se conheceram em 1975, em Cachoeira e São Félix. Para o artista, o visual das cidades lembrava muito Hamburgo, a cidade em que nasceu.

A Casa Hansen fica localizada na Fazenda Santa Bárbara, que foi comprada pelo artista com o intuito de ter uma visão privilegiada de Cachoeira. Lá, ele construiu seu ateliê. Após sua morte, em 1978 Ilse Hansen doou a Fazenda Santa Bárbara para a Fundação Hansen Bahia.

Além de visitar a Casa Hansen em São Félix, é possível também visitar o Museu Hansen Bahia, em Cachoeira.

SERVIÇO:
☌ Onde: São Félix, a 110 km de Salvador.
☌ Horários: Terça a Sexta: 09h às 12h, 13:30 às 17h. Sábados: 09h às 13h.
☌ Endereço: Ld dos Milagres, s/n (centro) – São Félix
☌ Contato: hansenbahia@uol.com.br | Telefone: (75) 3438-2442 ou 3425-1453.
☌ Valor: entrada gratuita.


4. Centro de Pesquisas Ufológicas | Morro do Chapéu
Morro do Chapéu é uma das cidades que compõem a região da Chapada Diamantina. Famosa por ser local de cachoeiras e trilhas e por ser a cidade das flores, o local também é bastante conhecida por outro fenômeno: o UFO.
Foto: Elvis Barbosa/Divulgação
A região da Chapada, na verdade, é uma área bem famosa para aqueles que acreditam em extraterrestres. De acordo com o site UFO, a região tem diversos fenômenos. Alguns deles ocorreram em Morro do Chapéu. Seu Amaral é apenas um de vários moradores que relata ter visto a presença de óvnis na cidade. Assim que se chega em Morro do Chapéu, é possível avistar um enorme disco voador. O dono é Seu Amaral.

Após a experiência ufológica, para tentar entrar em contato os seres, ele e a esposa fizeram sua casa em formato de disco voador, além de terem uma réplica do disco no quintal.

Para aqueles que buscam lugares inusitados, é um ponto interessante a se colocar no roteiro.

SERVIÇO:
☌ Onde: Morro do Chapéu, a 384 km de Salvador.
☌ Endereço: Rua Nova Jerusalém, Morro do Chapéu.
☌ Horários: qualquer horário.
☌ Valor: entrada gratuita.
☌ Contato: procurar por Seu Amaral

5. Casas de Jorge Amado | Salvador e Ilhéus

Para quem mora na capital baiana, a casa comprada em 1960 com o dinheiro da venda dos direitos do livro Gabriela, Cravo e Canela, pode parecer óbvia, mas para é possível de confundir a Fundação Casa de Jorge Amado com ela. Na Casa do Rio Vermelho, como é também conhecida, Jorge morou por anos com a sua esposa Zélia Gattai, que chegou a publicar o livro Casa do Rio Vermelho, em 2002, contando a história vivida pelo casal quando residiu no imóvel.
Foto: Janelas Abertas
Logo quando adquirida, a Casa recebeu visitas ilustres, como Glauber Rocha, Pablo Neruda, Tom Jobim, Dorival Caymmi, Roman Polanski, Jack Nicholson, Sartre e Simone de Beauvoir. Toda essa riqueza é vivida nos diversos ambientes da casa, com seus mais de dois mil metros quadrados, incluindo o jardim onde as cinzas de Jorge e Zélia estão depositadas.

Repaginada pela Fundação sem a perda da essência, a Casa do Rio Vermelho conta com mais de 30 horas de vídeos e projeções. Ou seja, é impossível conhecer toda a história do imóvel e do casal de escritores em apenas uma visita.
Foto: Divulgação
Já para quem passar por Ilhéus, uma viagem no tempo ainda maior pode ser feita. A casa onde o escritor passou parte da infância e adolescência foi construída em estilo neoclássico no final da década de 1920, por seu pai, João Amado Faria. E é ela que fica aberta para visitação no centro da cidade do interior. O palacete ocupa uma área de 600 metros quadrados, com cinco metros de pé direito, piso de jacarandá e azulejos ingleses na varanda.

Dentro do local, restaurado pela prefeitura, existem exposições com roupas, fotos, histórico dos pais e da infância, além de vídeos sobre o escritor. A prefeitura local afirma que a Casa de Cultura oferece aos visitantes a possibilidade de conhecer as experiências vivenciadas pelo escritor até a vida adulta. “Foi onde teve início a vida literária de Jorge Amado”, afirmam.

SERVIÇO | SALVADOR:
☌ Endereço: Rua Alagoinhas no 33, Rio Vermelho.
☌ Contato: (71) 3333-1919.
☌ Horários: de terças a domingos, das 10h às 17h.
☌ Valor: R$ 20 para público em geral e R$ 10 para estudantes e pessoas a partir de 60 anos. Toda quarta-feira a entrada é gratuita.

SERVIÇO | ILHÉUS:
☌ Onde: Em Ilhéus, a 440 km de Salvador; na própria capital.
☌ Endereço: Ilhéus: Casa de Cultura Jorge Amado. Rua Jorge Amado, 21 – Centro.
☌ Contato: Casa de Cultura Jorge Amado: Telefone: (73) 3634-8986.
☌ Horários: Casa de Cultura Jorge Amado: segunda à sexta, das 09h às 18h. Sábados: 09h até 13h.
☌ Valor: R$ 5 para a entrada.

Conteúdo em parceria com o site Não Óbvio