Cinema

Cinco documentários que retratam biomas brasileiros

Para quem ama sustentabilidade e quer saber curiosidades sobre as riquezas naturais do país, existem documentários nada óbvios que surpreendem ao mostrar cantos e realidades pouco exibidos para os brasileiros. Confira

Jorge Barretto e Vanessa Brunt, do Não Óbvio


O Brasil é um dos países com uma das maiores diversidades naturais encontradas no mundo. Somente a Amazônia ocupa a área de 49% do território brasileiro e equivale a um terço das florestas tropicais úmidas existentes no mundo.

Além disso, outros importantes biomas fazem parte do ecossistema nacional como Mata

Atlântica, Pantanal, Caatinga, Cerrado e pampa que somados estão presentes em 52 % do país. Atualmente muitas dessas áreas estão sendo ameaçadas pelas queimadas constantes, que tem destruído a fauna e flora presentes nessas áreas.

Outras questões como avanço do desmatamento, exploração indevida, poluição e flexibilizações no código florestal estão devastando grande parte dessas áreas.

Para quem se interessa por temas ligados a natureza e sustentabilidade, tanto para conhecimento quanto para a reflexão (ou até mesmo por pura curiosidade), o NÃO ÓBVIO listou documentários, disponíveis nas plataformas de streaming, que apresentam alguns desses biomas e mostram aspectos da beleza natural e cultural presentes em algumas regiões do país. Confira:

1.  Amazônia (Amazônia)




O filme traz a Floresta Amazônica, maior bioma do Brasil, como cenário principal da aventura de um macaco prego nascido em cativeiro, Kong, que é vítima de um acidente aéreo e luta pela sobrevivência na floresta.

A produção explora com riqueza de detalhes a flora e fauna da região amazônica, com fotografia extraordinária, que reforça a beleza natural e  toda a diversidade existente nesse bioma.

O personagem principal, o macaco Kong, desperta no espectador uma ligação com a experiência de liberdade e descobertas vivida por ele em meio a suas descobertas na “gigante” floresta.

O longa foi dirigido pelo cineasta francês Thierry Ragobert e produzido no Brasil pela Gullane Filmes. O filme foi indicado para o Festival Internacional de Veneza no ano de 2013 e foi exibido em eventos de cinema no Canadá, Itália e Rio de Janeiro.

☌ Onde Assistir: Netflix
☌ Duração: 1h 18min
☌ Lançamento: 2013
☌ Direção:  Thierry Ragobert
☌ Nacionalidade: Brasileiro

2. Planuras (Pantanal)


Foto: divulgação
Esse filme passeia pelos depoimentos de entrevistados e combina suas histórias com imagens que personificam as falas e cria um ar contemporâneo e sem cronologia em seu roteiro.

O personagem principal da trama é a própria paisagem e os elementos que a compõem como cores, paisagens singulares, clima instável e as próprias pessoas que fazem parte do ambiente, assim criando um roteiro não ficcional, mas que não se aproxima de um documentário tradicional.

O cineasta Maurício Copetti busca mostrar as transformações dessa paisagem a partir do ciclo das águas, com um roteiro que faz alusão a uma inundação de cultura presente na maior planície inundável do mundo. Descobertas e reflexões sobre os aspectos culturais, históricos e sociais enriquecem a jornada pelo Pantanal ao longo do filme.

☌ Onde Assistir: Vimeo
☌ Duração: 48min
☌ Lançamento: 2014
☌ Direção:  Maurício Copetti
☌ Nacionalidade: Brasileiro

3. Ser tão Velho Cerrado (Cerrado)



Esse filme mergulha nos impactos ambientais e suas consequências, discutindo sobre a degradação do Cerrado brasileiro. O documentário apresenta as ameaças que podem levar à extinção de um ecossistema inteiro e traz diálogos intercalados de especialistas, como cientistas, ambientalistas e engenheiros ambientais, sobre os impactos que essa região vem sofrendo.

A produção busca apresentar uma diversidade de pontos de vista, inclusive de outros agentes envolvidos na discussão. Fazem parte do roteiro ruralistas, mineradores e moradores locais, que explicam como o desequilíbrio gerado pelas práticas e exploração vem destruindo a região.

O cenário de devastação não é o único que faz parte da produção, o longa busca também contextualizar a formação histórica do Cerrado, que possui 45 milhões de anos, e sua importância para o ambiente que o integra. O diretor André D’Elia adiciona os comentários dos atores Juliano Cazarré e Valéria Pontes, que de forma sutil fazem observações e complementam aspectos abordados nas falas dos participantes.

☌ Onde Assistir: Netflix
☌ Duração: 1h 36min
☌ Lançamento: 2018
☌ Direção: André D’Elia
☌ Nacionalidade: Brasileiro

4. Mata Atlântica e os Ciclos da Vida (Mata Atlântica)



A vida selvagem dos animais e a luta pela sobrevivência são os principais aspectos destacados pelos diretores Fernão Mesquita e Tulio Schargel, em um dos filmes mais completos sobre Mata Atlântica produzidos no Brasil.

O longa mergulha na diversidade existente nesse ecossistema que abriga espécies de fungos, insetos, plantas, répteis, pássaros e mamíferos e como todos interagem para formar um ambiente rico e único.

Com imagens impressionantes da natureza, o documentário ambienta o telespectador em meio a diversidade da vegetação e dos animais. O personagem escolhido para nos ambientar nesse cenário é o pássaro  Macuco (Tinamus solitarius), que é o símbolo da adaptação e sobrevivência, e busca salientar a importância desse bioma para  assegurar a diversidade de flora e fauna na natureza, que atualmente conta com cerca de 10% de mata nativa.

☌ Onde Assistir: YouTube
☌ Duração: 53min
☌ Lançamento: 2012
☌ Direção: Fernão Mesquita e Tulio Schargel
☌ Nacionalidade: Brasileiro

5. Patrimônios da Caatinga (Caatinga)
Foto: André Pessoa
As paisagens da Serra do Capivara, declarada pela Unesco como Patrimônio Cultural da Humanidade, e da Serra das Confusões, ambas no Piauí,  formam o cenário explorado nesse documentário, que busca apresentar a riqueza do patrimônio arqueológico, flora e fauna que habitam nesta região.

O cineasta Toni Nogueira mostra, através dos relatos de moradores e das imagens como esse ecossistema, exclusivamente brasileiro, conhecido como “Relíquia do Nordeste”, vem sendo devastado. Um dos destaques do filme é importância da fotografia como instrumento para a criação da maior unidade de conservação federal do semiárido brasileiro.

O importante ecossistema ocupa uma área de cerca de 844.453 quilômetros quadrados, o equivalente a 11% do território nacional. Engloba os estados Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Piauí, Sergipe e o norte de Minas Gerais.

Mesmo depois de 17 anos de seu lançamento, o documentário Patrimônios da Caatinga consegue trazer aspectos atuais sobre como manter a proteção dessas regiões e aborda perigos recentes como as queimadas e o avanço da agropecuária, que são os principais fatores de redução desse bioma no Brasil.

☌ Onde Assistir: YouTube
☌ Duração: 44min
☌ Lançamento: 2003
☌ Direção:  Túlio Caldas
☌ Nacionalidade: Brasileiro