Música

Com elogios de Gal e Bethânia, a cantora baiana Illy estreia bem

Hagamenon Brito

Hagamenon Brito, do Correio 24h (hagamenon.brito@redebahia.com.br)
- Atualizada em

Boas novidades sempre hão de pintar no populoso e bonito céu das cantoras brasileiras, como Illy Cruz de Almeida Gouveia Santos - ou simplesmente Illy.  Ela lança sexta-feira (13), nas plataformas digitais, o seu primeiro e bom álbum, Voo Longe (Alá/Universal Music).

Nascida em Salvador há 30 anos e morando no Rio há três, a afinada e graciosa Illy voa leve nas 13 canções do álbum produzido por Kassin e Moreno Veloso, ritmicamente variado (ijexá, bossa, jazz, samba, rock, pop, marchinha) e que mescla compositores e músicos de várias gerações, de Djavan, Chico César, Cézar Mendes e Arnaldo Antunes  a Jonas Sá,  Pedro Baby, Alberto Continentino, Davi Moraes e Pedro Sá.

"Comecei a pensar nesse disco há três anos, desde que mudei pro Rio e fui pesquisando repertório. É fruto também dos encontros musicais que tive", conta Illy, por telefone, na tarde da última sexta (6), numa parada no sertão baiano onde gravava o videoclipe de Voo Longe,  com produção da Macaco Gordo, direção de Diego Lisboa e que será lançado em maio.

Crescida em ambiente musical onde se ouvia muita MPB dos anos 70, como Elis, Gal Costa, Caetano, Maria Bethânia, Gilberto Gil, Djavan e Novos Baianos, a cantora diz que "aprendeu muito da versatilidade que vem deles", além de citar Mônica Salmaso (anos 90) entre suas influências vocais. 

Confraria da Bazófia - Outras referências interessantes no álbum de Illy são a ironia e a malemolência do extinto grupo baiano Confraria da Bazófia (1993-2007), que tinha Ray Gouveia, tio da cantora, entre os seus integrantes. 

"Eu, menina, sentava no chão para ver meu tio e a Confraria tocarem no Teatro Vila Velha. Aquilo é parte da minha formação. As músicas Olhar Pidão (Ray Gouveia), Algo Mais (Arnaldo Almeida), Ela (Arnaldo) e Djanira (Arnaldo, Jarbas Bittencourt e João Luís) são de compositores da Confraria", diz.

O álbum coroa um tempo de conquistas de Illy e no qual também destacam-se  os shows de abertura para Gal Costa, no Circo Voador, e para Djavan, na Fundição Progresso, no Rio, ambos em 2017.

"Gal foi generosa e é sempre atenciosa, curte minhas coisas no Instagram. Abrir o show de Djavan, de quem regravei agora Que Foi My Love?, também foi uma honra", afirma a cantora, que ganhou duas inéditas de Arnaldo Antunes: a bela bossa Devagarinho e o ijexá Afrouxa.

"Arnaldo me recebeu na casa dele, em São Paulo, e me mostrou várias canções. Passamos uma tarde ouvindo música. Ter um poeta como ele no disco é foda, um privilégio".

Família Veloso - Casada com o jornalista Jorge Velloso, que é sobrinho-neto de Caetano e Maria Bethânia, Illy revela, rindo, que não consegue entrar nessa vibe familiar de ser "a sobrinha", porque vai estar sempre ali como uma fã, mas que adora conversar com Caetano, ouvir as preciosas histórias dele.

O show de lançamento de Voo Longe será dias 24 e 25 de maio no Teatro Ipanema, no Rio. Em Salvador, ela  adoraria que o show fosse no Vila Velha.

Veja o videoclipe de "Afrouxa", canção de Arnaldo Antunes, Betão Aguiar, Davi Moraes e Pedro Baby