Cinema

Com Will Smith como Gênio da Lâmpada, 'Aladdin' estreia nas telonas

Versão com atores de animação da Disney aposta em diversidade do elenco e empoderamento da mocinha Jasmine para conquistar público atual

Agência, O Globo

Will Smith confessou que entrou em “Aladdin” com medo. Parecia não haver mais espaço para criar um Gênio da Lâmpada depois do trabalho imortalizado pela voz de Robin Williams na clássica animação de 1992. 

Esse sentimento foi compartilhado na sessão de lançamento em Los Angeles, que levou a audiência ao cinema com um pé atrás, achando que esss seria “apenas” mais um refilmagem da Disney . Mas, aos poucos, a poltrona ficou mais confortável ao revisitarmos o romance da princesa e do plebeu, com um gênio bem-humorado, e as duas horas e oito minutos de filme passaram rapidinho.

Smith, que comemora neste ano três décadas de carreira, canta, dança, faz rir e pensar com mensagens jogadas durante o filme — seja nas cenas em que aparece azul e musculoso graças à computação gráfica ou naquelas em que participa em carne e osso. Para Aladdin, ele é uma mistura de amigo, life coach  e conselheiro amoroso — o que remete ao seu papel em “Hitch” (2005). 

Foto: Reprodução

— Eu tirei dois anos sabáticos para estudar e ter uma jornada espiritual — conta Smith, 50 anos. — O gênio tem um poder espetacular, mas é prisioneiro de seu destino, como eu me sentia em relação a... Will Smith. Nesses últimos anos encontrei minha liberdade, aprendi a me sentir mais confortável em ser eu mesmo.

As novas 'Mil e uma noites'

A adaptação com atores reais de um dos contos mais famosos do livro “As mil e uma noites” traz uma releitura desses tempos em que a princesa não pode apenas esperar um príncipe e o público quer diversidade na tela. Aladdin — o jovem pobre que encontra a lâmpada e o tapete mágico — é interpretado pelo ator egípcio de nacionalidade canadense Mena Massoud, o holandês de ascendência tunisiana Marwan Kenzari faz Jafar, e os iranianos Navid Negahban e Nasim Pedrad são o faraó e Dalia.

A personagem Dalia foi criada para a adaptação justamente para contrabalançar o elenco quase totalmente masculino da história original. Além de funcionária do castelo, ela é a melhor amiga e conselheira da princesa Jasmine, vivida pela atriz e cantora britânica com raízes indianas Naomi Scott, de “Power Rangers”.



— Acho que foi um progresso natural para Jasmine, ela precisava ter mais desafios, quer e deve se tornar uma líder — diz Naomi. 

Ao falar sobre como ficou surpreendido com a “expressão corporal, performances profundas e capacidade de mudança de tons” de Naomi, o diretor Guy Ritchie se emociona — e o elenco revela que o apelidou de Cry (“choro”) Richie pelas muitas lágrimas no set. 

As filmagens fora dos estúdios aconteceram na Jordânia e a cenógrafa Gemma Jackson usou da experiência que teve no desenvolvimento das três primeiras temporadas de “Game of thrones” como influência para conceber Agrabah, a cidade portuária fictícia onde se passa a história. 

Só na sequência que mostra a chegada de Aladdin como Príncipe Ali ao palácio do sultão participaram 250 dançarinos, 200 figurantes, foram usadas 37 mil flores, sete câmeras, dezenas de animais e carro alegórico. O resultado fica entre Bollywood e a Sapucaí. 

A corrida para o Oscar 2020, pelo menos, nas categorias de cenografia, figurino e música, já começou.