Teatro

Conexão Babel: Fernando Neves e Gil Teixeira comemoram aniversário de carreira em cena

Peça narra o encontro destes dois atores, amigos de longas datas, num bar, onde dali decidem reviver suas trajetórias encenadas

Diogo Baleeiro*
- Atualizada em

O espetáculo “Conexão Babel”, que ficou em cartaz no Teatro Martim Gonçalves até o dia 1 de abril, traz ao palco gratas surpresas. A sensível direção de João Lima faz do encontro de 63 anos de carreira do ator Fernando Neves, com os 35 anos de ofício do intérprete Gil Teixeira, uma verdadeira celebração. Com motivos de sobra.

A peça narra o encontro destes dois atores, amigos de longas datas, num bar, onde dali decidem reviver suas trajetórias encenadas, celebrando a amizade e os quase cem anos de encenações - uma brincadeira, já que este seria um somatório dos tempos de carreira de cada um – não havendo lugar melhor para esta celebração: os palcos.

Foto: Reprodução

Este enredo traz os dois atores revirando seus guardados em busca dos textos que já representaram; monólogos muito bem escolhidos são trazidos à cena, ora como se estivessem mostrando um ao outro o que prepararam, ora como se estivessem relembrando em suas pesquisas pessoais. Ali, o público pode testemunhar o vigor técnico corporal de Gil Teixeira, bem como a agradável projeção vocal de Fernando Neves, como se o tempo estivesse ali sendo generoso e permitindo a ambos trazer o  ontem para o agora.

Em cena, mesas e cadeiras de bar, alguns panos pendurados em duas araras – revezando-se em diferentes ambientações – fazem tudo parecer dinâmico e necessário à representação, onde cadeiras podem virar um muro e, uma mesa deitada ao chão, pode ser um lugar para sentar. Num jogo de metalinguagem, os atores representando eles mesmos, criticam a dura realidade enfrentada pelos atores de teatro, que na impossibilidade de viverem de bilheterias ou patrocínios, ”realizam-se” em bicos de teatro corporativo. Esta passagem delicada e sútil, traz também a reflexão de que estamos ali diante de dois grandes guerreiros, que nos presenteiam com ricas atuações, humor e leveza.

*Diogo Baleeiro
Bacharel em Interpretação Teatral - Ufba
Pós Graduado em Jornalismo - Casper Líbero - SP