Música

Ex-Restart, Pe Lu conquista novo público com o SELVA: 'vivo o melhor dos dois mundos'

Duo, formado pelo músico e por Brian Cohen, se apresenta em Salvador neste fim de semana, no mesmo evento que o 'padrinho' Alok

Guinho Santos (guinho.santos@redebahia.com.br)
- Atualizada em

A galera que curte música eletrônica, sem dúvida, já ouviu falar no Selva. O duo de DJs, que reúne canções com artistas como Alok e Vintage Culture, é formado pelos músicos Brian Cohen e Pe Lu. Sim, ele mesmo! Pe Lu fez parte da Restart, a famosa banda teen, a qual os integrantes usavam calças coloridas nos shows. "Tenho muito orgulho do que fiz com a Restart, do que construímos nos sete anos que estivemos juntos", afirmou ao iBahia. Ao lado do amigo Brian, o também cantor se apresenta na Arena Fonte Nova, no domingo (02), no evento Som e Sunset, junto ainda com o 'padrinho' Alok

Alok com o duo Selva
Alok, inclusive, contou ao portal sobre como surgiu a parceria com o duo: "meu fotógrafo curtia o som deles e eu acabei convidando eles pra nos conhecermos. Acabou que eles entraram para a Artist Factory e iniciamos um projeto juntos". "Ele virou um amigão nosso. Ele é um cara muito generoso", pontuou Pe Lu, citando a parceria em 'I Miss U': "essa música reflete a nossa sintonia". Sobre a canção, o 'padrinho' também rasgou elogios. "Esse trabalho é especial. Foi uma ideia do Brian com uma letra cheia de verdadeiros sentimentos. Os arranjos do Pe Lu contribuíram e a minha finalização concluiu o trabalho", completou Alok.

Ainda no bate-papo, Pe Lu revelou ter, digamos, dendê no sangue. Calma, a gente explica: "minha mãe é baiana, de Salvador, minha irmã morou anos aí também. Eu sempre fui diversas vezes para visitar, gosto muito da Bahia. Tenho uma ligação quase sanguínea com vocês". Então nada melhor do que uma apresentação à altura para os baianos, né? "Vamos levar um show novo, que ninguém viu ainda. Estou ansioso', revelou. Confira:

Selva - O início
"Somos amigos há muitos anos. A gente se conheceu porque o Brian tocou em um show do Restart. O Koba ficou doente ai indicaram ele para fazer a guitarra e fomos ficando amigos. Isso deve ter uns dez anos. Nesse tempo de amizade, produzimos coisas juntos e sempre ficava a vontade de fazer algo mais sério. Quando decidimos parar com a Restart, ele também estava acabando um projeto musical dele, então estávamos numa situação muito parecida. Fomos para uma festa juntos e a gente viu um DJ que a gente gostou muito. Não conhecíamos nada de música eletrônica. Quando chegamos em casa, a gente falou que precisávamos fazer alguma coisa parecida com aquilo: produzir, pesquisar... Começamos a pesquisar música eletrônica, a produzir - é um mundo completamente diferente do que estávamos acostumados -, e fomos tomando gosto. A gente começou como produtores, antes de pensar inclusive em tocar ao vivo". 

Amigos sempre quiseram fazer um projeto juntos
Receio com o novo?
"Quando começamos, há dois anos, queríamos aprender, entender se era isso que queríamos, mas já faz tempo que nos dedicamos full time para o Selva. Tem um ano e pouco que estamos tocando muito. Todo fim de semana estamos tocando, durante a semana estamos em estúdio juntos. Então hoje é o nosso projeto de vida e estamos muito felizes. É um mercado muito novo pra gente e isso dá um frio na barriga, mas no bom sentido - de saber que tem muito espaço para explorar e possibilidade de coisa para fazer. Isso que atrai a gente: misturar as referências, fazer um mix".

Diferencial
"Somos músicos de formação antes de sermos DJs. Todas as músicas são compostas pela gente. Quando fazemos um remix, é uma visão diferente. Tem músicas que a gente toca guitarra, bateria eletrônica, outras que a gente canta... Então a gente tenta trazer um pouco da nossa experiência de pessoas que tiveram banda para a história da música eletrônica e o legal é que a música eletrônica permite que você misture isso".



Sem rótulos?
"Rótulo é sempre complicado. Sempre que você se encaixa numa coisa, você meio que se sente obrigado a fazer só aquela coisa, mas acho que a gente é house, apesar de ser um estilo muito abrangente. A gente costuma dizer que a gente faz um house music popeado (risos), porque algumas das nossas referências são do pop". 

Aceitação na cena
"A gente sempre foi muito bem recebido. No começo do projeto, a gente dedicou muito do nosso tempo para conhecer pessoas, se informar mais, estar perto de outros DJs, participar mais da cena mesmo até para a gente entender o que a gente gostava ou não, e hoje posso dizer que a gente conhece muitas pessoas. Fizemos muitos amigos, tivemos possibilidade de fazer colaborações muito legais, com artistas grandes, como o Alok. Tem sido uma caminhada muito legal, abriu muito minha cabeça, minha criatividade, minha perspectiva para outras coisas. Por enquanto, mais alegrias do que tristezas (risos)".

Restart

Músico (de calça verde) fez parte do Restart
"A gente sempre desvinculou o Selva do Restart. Nunca usamos isso porque são histórias separadas. Tenho muito orgulho do que fiz com a Restart, do que construímos nos sete anos que estivemos juntos. O Restart foi minha formação, não só profissional, mas humana, porque foi meu sonho de adolescente que virou realidade. Trabalhei pra caramba. E o Selva é uma outra história, então nunca quis usar a força do Restart, nem as pessoas que conhecia. Pelo contrário, a gente queria e quer que as pessoas conheçam o Selva pelo Selva. Obviamente tem muita gente que me acompanhava no Restart e que me acompanham no Selva. São pessoas que cresceram e que hoje têm entre 22 e 25 e vão na balada, na festa... Vivo hoje o melhor dos dois mundos. Tem muita gente que já conhece o Selva pelo Selva, que às vezes até se assustam ao saber que fui do Restart, e tem pessoas que gostavam do Restart e me acompanham. Foi uma junção muito legal".

Um 'padrinho' desses, bicho
"Alok virou um amigão nosso, antes mesmo de trabalharmos juntos. Ele é um cara muito generoso. A gente tem uma relação longa e ele foi legal com a gente desde o primeiro momento. A gente compôs 'I Miss U' tem quase um ano, mandamos pra ele e ele foi mexendo. Ficamos quase um ano trocando coisas. Eventualmente nos encontrávamos no estúdio, mas sem pressa, mais pelo prazer mesmo de fazer algo juntos. É uma música muito bonita, uma letra muito bonita. Foi sem pretensão e ela ficou pronta. Todo mundo gostou muito do resultado e a gente acabou lançando de surpresa, sem preparação. Colocamos ela no ar e o resultado está sendo muito legal. A música reflete a nossa sintonia - do Selva com o Alok".

Trocas de figurinhas
"A nossa primeira música grande foi com o Vintage ('Why Dont U Love'), o Lucas, e ele foi muito legal também. Os meninos do Catdelers também. Quando estávamos começando, eles também estavam. De bastidores, temos o Beto, que apostou na gente desde o começo, assim como o pessoal da Art Factory".



Parceria do sonho
"A gente gosta de muita gente. Se tem um artista que a gente tem muita sinergia, é o The Chainsmokers, que são dois DJs que fazem muitas intervenções nos shows. A gente se identifica muito com o caminho que eles trilham. Eles meio que saíram da caixa, para além do que é ser DJ. A gente mira neles como referência. Seria animal uma parceria com eles".

Ah, o amor
"Eu e a Nah (Cardoso) somos muito parceiros desde sempre. A gente trabalha muito, se apoia muito. Estamos um pelo outro, entendendo que cada um tem sua vida, seus sonhos e que quando a gente escolhe estar com alguém, é importante que a pessoa entenda isso e apoie isso. A gente é muito amigo também, nosso relacionamento é muito leve, tranquilo".

Pe Lu e Nah Cardoso 
Bem-vindo a Salvador
"Eu tenho uma relação muito especial (com a Bahia) porque minha mãe é de Salvador, minha irmã morou anos aí. Eu sempre fui diversas vezes para visitar, gosto muito da Bahia. Tenho uma ligação quase sanguínea com vocês. Tocamos um tempo atrás na Sollares e foi incrível. Fizemos Morro de São Paulo e também foi surreal. A gente tem uma relação de amor com a Bahia. Temos muita coisa nova, muita música nova pra tocar. Vamos levar um show novo, que ninguém viu ainda, então estamos muito ansiosos. Sempre muito quente o público da Bahia".