TV

Líder de audiência na TV a cabo, Fernanda Souza incendeia a web: 'não faço tipinho'

Depois de 20 anos atuando em novelas, atriz quer ser reconhecida como apresentadora

Zean Bravo, da Agência O Globo

Fernanda Souza admite que sua intenção era mesmo impactar com a terceira (e comentada) temporada do “Vai, Fernandinha”. Conseguiu: o programa da atriz e apresentadora no Multishow liderou a audiência da TV por assinatura nas duas primeiras semanas durante o horário de exibição (vai ao ar de segunda a sexta-feira, às 22h30).

Pela primeira vez gravada em São Paulo, a atração, que chega ao fim na próxima sexta (4/5), também incendiou a web. Está sempre entre os assuntos mais comentados do Twitter e movimentou a página oficial do canal no Facebook (foram quase 10 milhões de videoviews em conteúdos relacionados ao programa).

Foto: Divulgação/Marcos Duarte

— A gente encontrou o formato e entendeu o programa nesta temporada — avalia a inquieta Fernanda, de 33 anos, em entrevista por telefone, de São Paulo: — Não repare se eu ficar ofegante. Vou aproveitar o tempo que estou falando com você para me exercitar no transport.

A apresentadora diz ter aprendido na prática como engajar o público da internet e gerar curiosidade na rede sobre o programa. O importante nas redes, diz, é falar do jeito dela. — Já fui até convidada pela Google para dar uma palestra, mas não consegui uma data.

Dirigida por Raphael Vieira, Fernanda diz ser 100% espontânea na TV. Chora, ri e paga mico nas brincadeiras que propõe aos convidados. Sasha Meneghel, filha de Xuxa, fez uma tatuagem durante as gravações e também tatuou o pé da apresentadora. Pabllo Vittar “montou” Fernanda, que ganhou maquiagem, peruca e figurino de drag queen. — Durante muitas noites fui ao ar no mesmo horário do “BBB 18” e do futebol na TV aberta. E consegui estar entre os assuntos mais comentados no Twitter.

BRIGA NA LUA DE MEL

Atração da estreia, Claudia Raia revelou detalhes da cerimônia de casamento com Alexandre Frota, nos anos 1980, e disse que passou boa parte da lua de mel brigada com o então marido. A reservada Sandy abriu a intimidade, ao lado do marido, Lucas Lima, e relembrou crises que o casal já viveu na relação.

— Ali eu sirvo de escada para os convidados. Não imaginei que a Claudia Raia fosse contar tudo aquilo. Fiquei chocada por ter tirado aquelas histórias dela. O Luan Santana também se soltou de forma que nunca imaginei. A minha preocupação é deixar a pessoa à vontade. Em nenhum momento vou perguntar nada para constranger alguém ou causar polêmica. Por isso as pessoas chegam para gravar de um jeito mais aberto, sem pose.

Conhecida desde criança, quando interpretou a orfã Mili no sucesso infantojuvenil “Chiquititas” (1997/1998), do SBT, Fernanda jura não se deslumbrar com o sucesso: — Vi gente pirar, se levar a sério com a fama.


"A GENTE PASSA PERRENGUE"

A atriz está há cinco anos em cartaz com o monólogo "Meu passado não me condena” (visto por um milhão de pessoas). Na peça, conta os bastidores da profissão. — A gente passa perrengue, sim! Já tive momentos sem contrato na TV, sem dinheiro entrando na conta, sem personagem. Fazia teste e não passava. Eu não desistia. Aí veio a Mirna (de “Alma gêmea”, em 2005), uma das minhas personagens mais marcantes.

Depois de 20 anos fazendo novela, quase todas na Globo (a mais recente foi “A regra do jogo”, de 2015), Fernanda quer ser reconhecida como apresentadora. E grava a próxima temporada do programa em agosto. Com mais de 14 milhões de seguidores no Instagram, lançou ainda um canal no YouTube, que já tem mais de 1,5 milhão de inscritos. A vontade de experimentar outras funções veio após a experiência como repórter do “The Voice Brasil” (em 2014). Foi quando ela bateu na porta do Multishow.

— O Guilherme Zattar (diretor do canal) disse que me via no Snapchat e queria que eu fizesse algo naquela linha. No programa, faço as perguntas do meu jeito. Sou zero perfeccionista. Gosto quando as coisas dão errado.

Zattar comemora a contratação. — Fernanda é uma excelente comunicadora. É espontânea, rápida, divertida, capaz de abordar os mais variados temas e extrair o melhor de seus convidados — destaca o diretor.

INTIMIDADE NAS REDES

Compartilhar a intimidade nas redes não é uma questão para a atriz, casada com o cantor Thiaguinho: — O legal é não virar escravidão. Não me sinto obrigada a produzir conteúdo. Sobre a exposição, vou aprendendo.

O sucesso nas redes e na TV, alega, deve-se ao fato de "não ficar fazendo tipinho". — Antes, as pessoas me conheciam pelos personagens. Com a rede social passei a gerar conteúdo sobre minha intimidade. As pessoas querem te consumir dessa forma também, isso cria uma relação. Abro a câmera quando estou de pijama, na minha casa. Faço lives de 30 minutos que não têm assunto. E não dá para esquecer que fui a Mili, um personagem da infância de muita gente. Cresci com meu público.