Cinema

‘Malévola: Dona do Mal’ é bonitinho, mas ordinário

Filme teve a pior estreia da Disney em 2019

Heyder Mustafá*
- Atualizada em


Quem acompanhou em 2014 o sucesso de ‘Malévola’ não imaginou que a sequência seria um filme desastroso, sem vida e com um roteiro mequetrefe. A nova produção é de chorar, um verdadeiro vexame do início ao fim, salva pelas boas atuações e pelos efeitos especiais. O principal problema do filme foi tirar Malévola do foco, dando o protagonismo à insossa princesa Aurora, responsável pelos clichês mais miseráveis da história. O resultado é um filme cansativo, que merecia, no máximo, meia hora de duração.

Sem o aprofundamento necessário dos personagens e já entregando no primeiro minuto quem seria a grande vilã da história, ‘Malévola: Dona do Mal’ é previsível e sem dinâmica. O espectador sequer tem a chance de especular uma possível desavença entre a personagem de Angelina Jolie e o príncipe Philip, futuro marido de Aurora e tão sem graça quanto ela. Nem a boa pirotecnia salva o filme. Os efeitos especiais são de primeira linha, impressionam pela qualidade, mas fogem da proposta do clássico da Disney e não passam de uma absurda forçação de barra para hipnotizar a plateia e desviar o foco do péssimo roteiro.


De especial mesmo somente o gabaritado elenco. Angelina Jolie acerta em cheio – mais uma vez – no papel principal. Sua grande presença de cena é convincente, levando a personagem a transitar facilmente entre a enfezada Malévola e a madrinha carinhosa, mostrando, inclusive, um lado irônico ainda não conhecido dela. A vilã dessa história, interpretada por Michelle Pfeiffer, também ajuda a carregar o filme das costas. Até mesmo Elle Fanning, que faz Aurora, consegue dar um sopro de vida à apagada rainha dos Moors.

A impressão que dá é que a clássica história da Bela Adormecida contada do ponto de vista da sinistra vilã poderia ter parado no primeiro filme. Não existiria vexame, desperdício de tempo e só teríamos coisas boas para falar de ‘Malévola’. Agora, fica registrado o fiasco de um dos piores filmes da Disney.

Heyder Mustafá é jornalista e produtor cultural formado pela UFBA, editor de conteúdo da GFM e Bahia FM, apresentador do Fala Bahia e apaixonado por cinema, literatura e viagens.