Séries

‘Marielle, o Documentário’ é um bom resumo do caso que chocou o Brasil

Produção da Globoplay tem seis episódios

Heyder Mustafá* ((heyder.mustafa@redebahia.com.br))
- Atualizada em

Há dois anos, Marielle Franco e Anderson Gomes foram executados no Centro do Rio de Janeiro e até hoje a polícia fluminense não deu respostas robustas sobre quem matou e quem mandou matar a vereadora do PSOL e o motorista dela. Os trabalhos de investigação policial e apuração jornalística do duplo homicídio estão reunidos no documentário produzido pela equipe de jornalismo da Rede Globo e exibido na Globoplay. Com uma dose extra de emoção para prender o espectador desde os minutos iniciais, depoimentos de autoridades e entrevistas com profissionais que participaram da cobertura desde o início fazem do documentário uma bom material sobre o caso conhecido em todo o mundo.

Por ser produzido sob a ótica do jornalismo, o documentário não se apega a questões partidárias e tem o cuidado de destacar o crime como o assassinato de uma representante popular eleita democraticamente e como isso, por si só, é um atentado à própria Democracia. Outro ponto positivo da produção é a participação de personagens que, durante as investigações, foram apontados como partícipes do atentado. Todos têm a oportunidade de se defender, contando suas versões do fato. A tentativa de imparcialidade é notória e essencial para o trabalho.

‘Marielle, O Documentário’ abre espaço também para autoridades que participaram da investigação, como a ex-procuradora-geral da República, Raquel Dodge, e o ex-ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann. Além deles, o delegado que inicialmente foi responsável pelo caso, o chefe da Polícia Civil do Rio, peritos e policiais federais também contam detalhes até então desconhecidos do grande público. As participações mostram, ainda que de forma implícita, os motivos de até hoje pouco se saber sobre o crime do dia 14 de março de 2018.

O conteúdo jornalístico do documentário é rico e resume bem o caso, mas, sem sombra de dúvida, os trechos que mostram a vida da vereadora, sua relação com amigos, familiares e colegas de trabalho se destacam pelo forte apelo emocional. São apresentados áudios, mensagens e telefonemas feitos por Marielle momentos antes do crime. A constatação do quão efêmera é a vida somada aos depoimentos de pessoas próximas à vereadora levam os mais sensíveis às lágrimas. Independentemente de se ter ou não simpatia por Marielle ou pela causas defendidas por ela, o lado humano se sobrepõe ao se deparar com a dor presente nas falas de seus pais, irmã, filha e esposa. 

‘Marielle, O Documentário’ está disponível em seis episódios, sendo o primeiro aberto para todo o público e o restante apenas para assinantes da Globoplay. Além de ser um rico documento sobre um dos crimes de mais difícil solução na história recente do Brasil, a produção mostra a fragilidade da nossa Democracia e como ela está exposta, na mira daqueles que a rechaçam e não medem esforços para enfraquecê-la pouco a pouco.      

Heyder Mustafá é jornalista e produtor cultural formado pela UFBA, editor de conteúdo da GFM e Bahia FM, apresentador do Fala Bahia e apaixonado por cinema, literatura e viagens.