Música

Marina Ruy Barbosa terá caso com Rodrigo Santoro em clipe de Alok

Videoclipe tem previsão de lançamento para a segunda quinzena de abril

Doris Miranda, com redação Correio 24h
- Atualizada em

A nova aposta internacional de Alok, Ocean, contará com protagonistas de peso. Além de Rodrigo Santoro, Marina Ruy Barbosa também enriquecerá o elenco. A atriz que está no ar na novela Deus Salve o Rei, da TV Globo, gravará cenas em São Paulo representando o par do artista hollywoodiano.

Foto: Reprodução

Com lançamento marcado para a segunda quinzena de abril, Ocean é uma composição baseada numa história real composta em parceria com os cantores Zeeba e Iro e terá parte da renda dos royalties destinada para instituições nacionais que atendam crianças e jovens com câncer.

Alok retornará de sua turnê na Ásia para a divulgação do trabalho que conta também com os atores globais Genesio de Barros e Maria Manoella. A produção do clipe é da Bossa Nova Filmes.

Um pouco mais sobre o DJ
Mesmo quem nunca parou para ouvir o som desse gato goiano de 26 anos, mas é minimamente ligado em cultura pop, sabe que Alok é o DJ mais hypado do momento. Tanto que, na lista internacional dos mais tocados no Spotify, ele é o primeiro brasileiro a figurar entre os Top 50 artistas globais, tornando-se também o artista nacional mais ouvido em todo o mundo em 2017. Só para se ter uma ideia: Alok tem uma média de 10 milhões de ouvintes por mês nas plataformas digitais.

Foto: Divulgação

Muito disso se deve a composições como Never Let me Go e Hear me Now. Essa última, a faixa brasileira mais ouvida em streaming no país, rendendo ao DJ, produtor e instrumentista disco duplo de platina em vários países, como a Itália e a França. Emocionante história de família, o clipe de Hear me Now possui quase 200 milhões de visualizações.

A popularidade, ele justifica, acontece porque  sua obra tem brasilidade. “Meu maior objetivo é sempre levar o Brasil onde quer que eu esteja, representando-o bem. Sobre chegar a esse nível, acredito que música universal facilite o acesso às portas, com certeza”, disse Alok, em entrevista ao CORREIO.

Em entrevista recente no programa Conversa com Bial, da Rede Globo, Alok destacou que faz música para todo tipo de público: “A música tem que ser vista com verdade, não tem que ter barreiras, tem que ser para todos. Saí do segmento eletrônico e peguei um nicho mais popular. Minha avó curtia meu trabalho, sabe?”.

Morta no ano passado, a avó paterna de Alok serviu de inspiração para clipe Hear me Now: “Queria ter tido a chance de abraçá-la de novo. E queria passar exatamente essa mensagem no clipe. Se você ama alguém, não espere amanhã, diga agora! E no clipe fiz um pouco menos dramático, o cara teve uma segunda chance!”

Família e referências
Filho dos DJs Swarup (Juarez Petrillo) e Ekanta (Adriana Peres Franco), e irmão gêmeo do DJ Bhaskar, a vida de Alok sempre esteve envolvida com a música, e é de suas vivências que ele tira a inspiração para suas composições, muitas delas concebidas em instrumentos ‘de verdade’.  Daí, vez em quando, a explicação para  interagir no palco com músicos, como fez no Bial, quando se apresentou com um quarteto de cordas.

A família, segundo o DJ, é sua maior fonte de inspiração: “Meus pais são minhas maiores referências e da mesma forma que transformaram a minha vida eu espero transformar a deles também. Eles já tinham uma carreira consolidada, agora só têm mais exposição.  Queria agradecer a eles porque a minha infância sempre foi muito diferente de todas as crianças. A gente foi criado na Holanda e aprendi muita coisa com eles”.

No processo de composição, Alok explica que mistura várias referências, eletrônicas e analógicas. “Quando tenho um feeling pra alguma criação eu já escrevo, rascunho  e deixo esboçado algo que ache ser legal. Acredito que eu seja músico mesmo”, diz.

Reconhecido como o 19º melhor DJ do mundo, eleito recentemente pela revista especializada DJ Mag, Alok já tocou em pistas muito diferentes. Todas apaixonantes, segundo o próprio, embora agora esteja encantado com a plateia oriental.  “Igual ao Brasil não tem. Mas, ultimamente, a China anda me surpreendendo bastante. Passei um mês lá e foi surreal. Eles adoram, cantam, interagem... É fora de série”, diz ele, contratante de uma equipe de mais de 50 pessoas. “Virei uma empresa de responsa, sabe? ”, completa.