Cinema

Ministério da Justiça reclassifica 'A Lagoa Azul' para maiores de 12 anos

Filme se tornou um dos maiores clássicos da Sessão da Tarde

Agência O Globo
Um dos maiores clássicos românticos da Sessão da Tarde, "A lagoa azul" teve sua classificação indicativa alterada de livre para não indicada para menores de 12 anos. A mudança, anunciada no Diário Oficial da União desta quinta-feira, se deu após a reclamação de um cidadão, provavelmente após a exibição do filme em março passado.
Foto: Reprodução
De acordo com o despacho, após processo administrativo os funcionários do Ministério da Justiça identificaram no filme "tendências de: 'ato violento' e 'apelo sexual', sendo este segundo de forma reiterada, predominantemente incompatível com a publicação realizada anteriormente. Por isso, o filme foi reclassificado como "não recomendado para menores de doze anos", por conter: violência e conteúdo sexual."
Como todo o Brasil deve lembrar, o filme conta a história de Emmeline (Brooke Shields) e Richard (Christopher Atkins), duas crianças que sobrevivem a um naufrágio junto com um velho marinheiro, Paddy Button. Quando Paddy morre, os dois precisam se virar sozinhos e, ao chegar à adolescência acabam descobrindo a sexualidade e se apaixonando.
O filme tinha a classificação "livre" e desde 1995 foi exibido várias vezes na TV Globo e no SBT — sempre no horário da tarde. Convém notar que a classificação indicativa atualmente não impede a exibição do programa; funciona apenas como uma sugestão aos pais. Confira o texto completo do Diário Oficial da União:
CONSIDERANDO a denúncia enviada por cidadão, que informa sobre uma suposta incompatibilidade entre o conteúdo apresentado e a autoclassificação do filme como "Livre". CONSIDERANDO que a emissora exibiu a obra como "Livre" baseando-se na publicação do D.O.U do dia 01 de agosto de 1995, Portaria 00080, não incorrendo, portanto, em qualquer irregularidade.

CONSIDERANDO o estabelecido no Artigo 28, Parágrafo Único, que especifica que "mediante denúncia fundamentada ou monitoramento, será instaurado processo administrativo e o DPJUS poderá reclassificar de ofício a obra audiovisual autoclassificada".

CONSIDERANDO que durante a análise do filme "A LAGOA AZUL - VERSÃO EDITADA" foram identificadas as tendências de: "ato violento" e "apelo sexual", sendo este segundo de forma reiterada, predominantemente incompatível com a publicação realizada anteriormente, resolve: Reclassificar ex-ofício a obra "A LAGOA AZUL - VERSÃO EDITADA" como "não recomendado para menores de doze anos", por conter: violência e conteúdo sexual."