TV

Programa ‘Conversa Preta’ debate o racismo na televisão aberta baiana

Conteúdo da Rede Bahia está disponível on-line para o Brasil no Gshow e no Globoplay

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)

“Ser negro, no Brasil, já é pensar três vezes em cada situação, em cada local que você vá, em cada convite, em cada olhar na rua. A gente vai, infelizmente ou felizmente, criando níveis de entendimento sobre a realidade”, contou o ator Fabrício Boliveira, via live, em entrevista ao “Conversa Preta”, o novo programa da Rede Bahia, emissora afiliada à Globo na Bahia, que estreou no último sábado (15). 

A proposta do especial é ajudar a construir uma sociedade antirracista e igualitária. De acordo com dados do IBGE do ano passado, 56,2% da população do país declara ser preta ou parda, enquanto 42,7% é branca. Ainda assim, o racismo está diariamente presente no cotidiano da população e a cor da pele é o principal fator na construção das desigualdades. 

A cantora Margareth Menezes, uma das vozes mais potentes da música brasileira, também participou do primeiro episódio do programa. A artista destacou que sempre precisou investir na própria carreira, inclusive fundando um selo, o Estrela do Mar, por não ter interesse de empresários. Sobre o “Conversa Preta”, ela afirmou que o programa “abre uma porta que vai trazer um retorno muito especial e de mudança”. 

Nas redes sociais, a cantora Ivete Sangalo reforçou: “O programa traz uma discussão aberta sobre racismo, como combatê-lo, tudo a respeito, na voz de quem vive e pode falar sobre. Um espaço de representatividade! Abram os olhos e ouvidos. Já passou da hora de entender e combater junto”. 

Também na web, a jornalista Maíra Azevedo, a Tia Má, parceira do programa Encontro com Fátima Bernardes, pediu: “Que programas como esse multipliquem na televisão aberta! Queremos falar sobre nós e por nós”.  O especial também vai ao ar nos próximos dois sábados, na Rede Bahia.