Turismo

Protocolos de segurança: afinal, o que torna um hotel seguro durante a pandemia?

Funcionamento desses estabelecimentos varia de cidade para cidade, mas os que podem manter as portas abertas precisam seguir normas de segurança para os clientes e funcionários

Especial de Conteúdo

A pandemia do novo coronavírus fez com que todo o mundo precisasse se readaptar. “Cumprindo os protocolos de segurança” passou a ser uma expressão do nosso cotidiano, utilizada por todos os setores aptos a funcionar em meio a circulação do vírus. Entre eles estão os hotéis, resorts e pousadas. 

O funcionamento desses estabelecimentos varia de cidade para cidade, mas os que podem manter as portas abertas precisam seguir normas de segurança para os clientes e funcionários. Mas afinal, o que torna um hotel seguro durante a pandemia? 

Essa dúvida deixa muitos viajantes inseguros. E cabe também a ele analisar, antes fazer qualquer reserva, se o hotel atende a esses protocolos. E isso serve para este momento de pandemia, mas também para o pós, já que não sabemos como deveremos nos comportar. 

Confira, então, os protocolos que as hospedagens precisam seguir para manter a segurança dos clientes: 

Redução do número de hóspedes: 

O primeiro fator a levar em consideração é a capacidade de hóspedes. Um hotel lotado não trará a segurança necessária, uma vez que a principal recomendação para evitar a contaminação do novo coronavírus é manter o distanciamento social.  

Sendo assim, pesquise se o hotel, assim como a maioria, está funcionando com metade da sua capacidade. Dessa forma, é muito mais fácil evitar aglomerações. 

Adoção de medidas para o distanciamento social: 

Procure saber se o hotel adotou medidas que visam o distanciamento social, como a marcação no chão nas áreas comuns, como recepção, corredores e pontos de venda de alimento, bem como capacidade máxima de pessoas no elevador. 

Uso de máscara e álcool em gel: 

O hotel precisa tornar obrigatório o uso de máscaras em áreas comuns, tanto por funcionários quanto por hóspedes. O item de proteção é essencial para evitar a proliferação do vírus. 

Além do distanciamento e das máscaras, completa o tripé de proteção a higienização correta das mãos. Por isso, a hospedagem deve disponibilizar álcool em gel pontos da área comum.  

Área de lazer: 

São justamente nessas áreas que os hóspedes mais costumam ficar. Por isso, muitos hotéis fecharam esses espaços, como academia, sala de jogos e até mesmo piscina.  

Os que mantiveram abertos, organizaram um esquema de controle de quantidade de hóspedes por vez. Pesquise como o hotel que te interessa está lidando com isso. 

Alimentação: 

Esqueça aquele café da manhã enorme, típico de hotel, no esquema buffet com várias opções. Agora, a maioria dos hotéis passou a servir o café da manhã diretamente na mesa – ou até mesmo no quarto – e as outras refeições apenas no serviço à la carte.  

Higienização dos quartos: 


Os quartos também ganharam atenção especial para evitar o contágio da Covid-19. Com isso, foram adotadas práticas de limpeza mais rígidas, troca de roupa de cama e banho e uso de desinfetantes indicados pela Anvisa. 


Os principais hotéis da Zarpo adotaram essas e outras medidas para tornar a estadia dos hóspedes o mais segura possível. 

Entre eles, o Porto Seguro Praia Resort, onde, por exemplo, é obrigatório o uso de máscaras em áreas comuns e a capacidade de operação está reduzida. Além disso, as piscinas são desinfectadas com alto padrão de esterilização, e espreguiçadeiras são dispostas com o espaçamento adequado.  

Outro exemplo é o Club Med Trancoso, também funcionando com capacidade reduzida e com desinfecção constante das áreas comuns.