Turismo

Quanto tempo você aguenta num avião? Companhia aérea fará testes em voos de 19h

Novos voos de longuíssima duração devem ter cardápio elaborado especialmente para combater os efeitos do jet lag

Agência O Globo
Quanto tempo você aguentaria dentro de um avião? A companhia aérea australiana Qantas vai realizar testes para saber como os passageiros e as aeronaves reagem a nada menos que 19 horas de voo. Essa é a duração das próximas rotas que a empresa irá lançar, para Nova York e Londres, a partir de Sydney, sem escalas.
As novas rotas fazem parte do chamado "Project Sunrise", cuja meta é a ligação aérea entre a costa leste da Austrália (Sydney, Brisbane e Melbourne) à capital britânica e à maior cidade dos Estados Unidos. Antes de implementar essas frequências, a Quantas realizará, durante três voos-testes, um por mês, entre outubro e dezembro.
A operação será a bordo de aviões Boeing 787-9 Dreamliner, desenvolvidos especialmente para voos de longuíssima duração. Os voos experimentais acontecerão durante a entrega das três novas aeronaves à companhia. Em vez de eles saírem de Seattle, onde fica a fábrica da Boeing, direto para a Austrália, dois deles serão reposicionados para Nova York e um para Londres, e de lá voarão para Sydney.
Cada um deles deverá transportar cerca de 40 pessoas, entre funcionários da empresa e tripulação, que serão submetidos a uma série de testes e exames que medirão do nível de cansaço e desconforto à duração do jet lag após o pouso. Por isso, não haverá venda de bilhetes para essas operações.
As "cobaias" serão equipadas com dispositivos eletrônicos que analisarão seus comportamentos e sensações durante o voo. Algumas experiências específicas poderão ser feitas durante a viagem. Os pilotos também serão testados, principalmente para a companhia saber em que momentos da jornada de 19 horas eles deverão parar para descansar.
Quando lançados, os voos Sydney-Londres e Sydney-Nova York serão os mais longos do mundo. Nesta competição particular entre as empresas baseadas na Oceania e na Ásia, o título atualmente está com a Singapore, que liga o aeroporto de Changi, em Cingapura, ao de Newark, em Nova York, em 18h30m em média.
Só para se ter uma ideia, o voo mais longo saindo do Brasil é o São Paulo - Doha, pela Qatar Airways, com 15 horas em média de duração. De Guarulhos sai também o segundo voo mais longo, o São Paulo-Dubai, pela Emirates, com 14 horas em média de duração. Na terceira posição está o Rio-Dubai, com 13h30m em média, também operado pela Emirates.
Menu contra o jet lag
Os novos voos de longuíssima duração da Qantas devem ter cardápio elaborado especialmente para combater os efeitos do jet lag, nos mesmos moldes do criado para o voo Perth-Londres, lançado pela mesma companhia em março de 2018.
O cardápio foi desenvolvido por pesquisadores do Centro Charles Perkins da Universidade de Sydney e especialistas da própria companhia aérea australiana. O objetivo era chegar a alimentos e bebidas que facilitem o sono em horários ideais durante o voo.
Para isso, o menu priorizou pratos mais leves, como uma salada de atum, e com ingredientes que aumentem a hidratação do corpo, como folhas verdes, pepino, morangos e aipo. Um chá de ervas, com limão, camomila e erva cidreira, desenvolvido especialmente para a Qantas, com propriedades relaxantes, também é servido aos passageiros. A ingestão de líquidos é fundamental durante a viagem, principalmente água.
Uma série de exercícios também ajuda a combater os efeitos do jet lag, principalmente para quem viaja na classe econômica. A principal recomendação dos especialistas é usar ao máximo os corredores da aeronave: andar sempre que possível ou, ao menos, a cada duas horas.
Caminhar ajuda a aliviar o inchaço e a retenção de gases, incômodos comuns em voos de longa duração. A atividade é fundamental para quem tem problemas cardiovasculares, pois ajuda a evitar tromboses. Mesmo na poltrona, o passageiro pode realizar uma série de alongamentos nos ombros, pescoço, pernas e pés.