TV

Quinta temporada do Tá no Ar: a TV na TV estreia nesta terça-feira (23)

Eduardo Sterblitch, ex-Pânico na TV, junta-se ao elenco do programa criado por Marcelo Adnet e Marcius Melhem

Roberto Midlej, do Correio 24 horas (roberto.midlej@redebahia.com.br)

Pode parecer exagero ou lugar comum, mas a verdade é que o programa Tá no Ar: A TV na TV, criado por Marcelo Adnet, Marcius Melhem e Mauricio Farias, revolucionou a TV brasileira. Ou, ao menos, revolucionou a TV Globo.

Mauricio Farias, Marcelo Adnet e Marcius Melhem, criadores do Tá no Ar (Paulo Belote/TV Globo)

Afinal, que outra atração nesses 53 anos da emissora carioca foi tão ousada quanto esse humorístico? Quem teve carta branca para fazer piadas com religião ou para criticar a própria “Vênus Platinada”, como o Militante se refere ao maior canal do país? Que outro programa global  homenageou uma atração de uma concorrente, como o Tá no Ar fez com A Praça é Nossa?

Para a felicidade do espectador, uma das melhores novidades da TV brasileira nesta década está de volta, em sua quinta temporada, que estreia terça-feira (23) na Globo/TV Bahia, às 23h20. E a essência do Tá no Ar está mantida: as sátiras aos programas de TV e a comerciais, as paródias musicais e os personagens mais populares do programa, como o apresentador de TV Jorge Bevilacqua e o Militante, ficam no programa.

No elenco, uma ótima novidade: a chegada de Eduardo Sterblitch, que foi integrante do Pânico na TV, onde ficou conhecido como o Freddie Mercury Prateado.

Sterblitch já é velho conhecido de Adnet: juntos, eles atuaram no filme Os Penetras (2012), comédia dirigida por Andrucha Waddington. “Acho que o formato do programa permite muitas surpresas. Eu ainda estou aprendendo  a fazer, mas a equipe é fantástica e está me ajudando. Sempre quis trabalhar com várias pessoas com as quais estou trabalhando agora”, diz Sterblitch.

O ator cômico, um dos melhores de sua geração, foi revelado no Pânico na TV, encerrado no ano passado. Sterblitch fazia o Freddie Mercury Prateado e o Poderoso Castiga e chega para enriquecer o Tá no Ar. (Foto: Paulo Belote/TV Globo)

Como nas outras temporadas, muitas participações especiais vão acontecer: Aracy Balabanian, Mateus Solano, Milton Cunha, Fátima Bernardes, Marcelo Serrado, Luisa Arraes, Bruno Mazzeo e Ana Furtado são alguns dos convidados em 2018.

As críticas à intolerância e ao conservadorismo, uma das marcas do Tá no Ar, também retornam ao programa e, desta vez, há um quadro dedicado a isso: The Walking Back, paródia ao seriado The Walking Dead. Nele, zumbis conservadores desfilam pela cidade com placas como “Fora Comunismo” ou “O Câncer Gay é a Aids”.  

“Os zumbis aparecem com ideias que deviam estar enterradas, mas ainda estão aí. A gente tem um lugar humanista sobre as questões, de direito, de liberdade. A gente fica muito atento ao que as pessoas estão se metendo, mas que não é da conta de ninguém. Mostramos isso por um ponto de vista ridículo de quem se ocupa do que não deveria se ocupar”, diz Marcius.

Tony Karlakian: o milionário empresário descendente de armenos vivido por Adnet vai continuar frequentando as festas mais badaladas da elite paulistana. E  longe dos pobres, como ele prefere. (Foto: Estevam Avellar/TV Globo)

Eleições

As eleições deste ano também renderão bons momentos. Adnet diz que o programa não foge de nenhum tema: “Hoje em dia, ficar em cima do muro é mais exposto e mais complicado do que cair para um lado. Na situação que a gente vive hoje, estar em cima do muro tem um quê de irresponsabilidade. Existem coisas que realmente acreditamos e são razoáveis e que abordamos no programa”.

Mas o humorista avisa que, apesar tocar em temas polêmicos, não tem a intenção de provocar ninguém: “Temos o cuidado sempre. Não estamos batendo em alguém, comprando uma briga. Mas a gente acredita nos pontos de vista que temos e que são razoáveis. Num ano de eleições que já sabemos que serão complicadas, a gente acha que o lugar mais violento que existe é no muro”.

Militante: um dos mais populares personagens do Tá no Ar vive criticando a “Dona Rede Globo” e imaginando divertidíssimas teorias conspiratórias envolvendo a maior emissora do país. (João Cotta/TV Globo)

O diretor Mauricio Farias destaca a diversidade de assuntos abordados e a liberdade que os redatores do programa têm: “Procuramos encontrar o caminho democrático. Tentamos encontrar multivisões sobre o que tratamos. O Tá no Ar é um exemplo do quanto a liberdade é importante. Temos uma grande responsabilidade sobre o que falamos e tentamos falar de tudo o que acreditamos ser importante da melhor forma”.

Mesmo com alguns personagens fixos, o Tá no Ar se reinventa e não fica preso a fórmulas, como observa Marcius: “Quando achamos que Rick Matarazzo e Tony Karlakian estavam esgotando o manancial de entrevistas na noite de São Paulo, passamos a fazer o reality, que é Os Karlakian. Nessa temporada, por exemplo, o Jorge Bevilacqua faz comercial de produtos, como o Bevilacqua Airlines. Num outro ele vira jurado do The Voice Kids”.