Música

Roger Waters faz homenagem a mestre Moa durante show em Salvador

Tributo ao capoeirista morto após discussão política foi um dos muitos momentos em que o coro de 'ele não' se repetiu no show

Agência O Globo
- Atualizada em

As manifestações de Roger Waters contra Jair Bolsonaro durante os shows de sua turnê no Brasil, que causaram protestos do público em São Paulo , ganharam um tom de tributo em Salvador. No show desta quarta-feira na capital baiana, Waters prestou homenagem a Moa do Katendê, artista e capoeirista morto após uma discussão política , na madrugada após o primeiro turno da eleição.

— Eu queria parar por um momento para lembrar um dos seus — disse Waters, claramente emocionado. — Mestre Moa, como vocês sabem, foi brutalmente assassinado em meio às suas eleições presidencias. Ele era um grande exemplo para todos nós sobre como espalhar o amor e empatia.


O público respondeu em coro quase uníssono, gritando o "#elenão" que se tornou marca dos opositores da candidatura de Jair Bolsonaro (PSL) à presidência. O bordão foi repetido em vários outros momentos da apresentação.

Canção inédita ao vivo

Em outra mudança de roteiro, Waters incluiu no repertório do show de Salvador a música "Two suns in the sunset". A canção fecha o álbum "The final cut", de 1983, último do Pink Floyd a contar com a participação de Waters, e nunca havia sido apresentada ao vivo.

"Two suns in the sunset" substituiu "Mother", no bis. Logo na sequência, Waters terminou o show com a apoteótica "Comfortably numb", como nas outras apresentações da turnê.

A hashtag #EleNão não foi exibida no telão, como no primeiro show da turnê "Us + Them", em São Paulo. Mas Waters manteve um dos pontos mais polêmicos da apresentação no intervalo, quando exibiu o nome de Bolsonaro na lista de neofascistas que comandam ou podem comandar grandes nações, ao lado da mensagem "ponto de vista político censurado".

O espetáculo durou mais de duas horas. No final da primeira parte, ao som de "Another Brick in the Wall Part 2", subiram ao palco 12 crianças do Projeto Axé, que atua na área de educação e defesa de direitos de crianças, adolescentes e jovens em situação de vulnerabilidade social em Salvador.

No Rio, onde toca no próximo dia 24 de outubro, o mesmo papel ficará a cargo de doze crianças e adolescentes, de 10 a 15 anos, atendidas pela Associação Beneficente São Martinho. Da capital baiana, o artista vai para Belo Horizonte, onde se apresenta no próximo domingo. Após o Rio, Waters ainda fará shows em Curitiba e Porto Alegre. Ele já tocou em São Paulo e em Brasília.