Música

Sertanejos retomam projeto ‘Amigos’ após 20 anos e preparam shows no Brasil

Os shows começam não por acaso em 20 de julho, Dia do Amigo, no Mineirão, em Belo Horizonte

Agência O Globo
- Atualizada em

O clima de nostalgia, realmente, está no ar. Não bastassem a novela “Verão 90” e o alvoroço em cima do retorno aos palcos dos irmãos Sandy e Junior, mais um ícone de 20 e poucos anos atrás está de volta. Após o sucesso entre 1995 e 1998, com especiais musicais na Globo, o projeto sertanejo “Amigos” foi retomado pelo cantor Leonardo e pelas duplas Chitãozinho & Xororó e Zezé Di Camargo & Luciano, com direito a turnê viajando por todo o Brasil, como eles adiantaram ao “Fantástico” deste domingo.

Foto: Divulgação
Os shows começam não por acaso em 20 de julho, Dia do Amigo, no Mineirão, em Belo Horizonte, Minas Gerais, e terminam aqui no Rio de Janeiro, em 14 de dezembro, na Jeunesse Arena, na Barra. Mas os cinco estão tão empolgados que já pensam em mais apresentações para 2020.

— A gente sentia muita saudade de sentar para conversar, contar piada, rir um com o outro... Conviver com eles dessa maneira novamente vai ser muito bom — comemora Xororó, que avalia: — Naquela ocasião, o sertanejo estava crescendo muito, e, com o programa, acabamos por ter a consagração. “Amigos” conectou o sertanejo ao Brasil inteiro. Foi um momento fundamental para nossas carreiras, porque tivemos a possibilidade de tocar com ídolos da MPB. Foi aí que conheci mais de perto Milton Nascimento, por exemplo, e o meu respeito por ele aumentou ainda mais.

Agora que conseguiram conciliar as agendas e acertaram os principais detalhes (incluindo uma exibição na TV, num especial de fim de ano da Globo), os sertanejos têm como desafio escolher o repertório para os shows, que terão cerca de três horas. Como ainda não chegaram a um consenso, os cinco já definiram pelo menos que, além das apresentações individuais, vão dividir os vocais e homenagear Leandro, irmão e antigo parceiro de Leonardo, que morreu em 1998.

— Quando penso na gente, sempre vejo os seis. Leandro está sempre em nossos corações e inserido nesse contexto. Não entrará ninguém para ser a sexta letra. Eventualmente, pode ser que tenham participações especiais. Mas seremos sempre nós seis. Eu tenho certeza de que vai dar certo a turnê justamente por conta da nossa união — garante Luciano.

Sobre esse reencontro, Xororó completa:

— É muita descontração! Quando a gente não estiver no palco, vai estar na coxia vendo a apresentação e esperando para cantar com eles. O show não pode parar.

Considerado como o “chefão” do quinteto por sua concentração e sua firmeza na condução do projeto, Xororó entrega as principais características de cada um e brinca que “alguém tem que tomar conta deles”:

— Eu e Luciano somos muito centrados, pontuais e muito focados no trabalho. Leonardo e Zezé são divertidos, adoram brincar. Chitão é o que topa tudo, super de boa. Por eu ser assim, eles dizem que “quando eu falo todo mundo me ouve”. É que, se deixar, vira bagunça (risos). Deixo para descontrair depois do trabalho.

Sempre brincalhão, Leonardo reforça o que diz o amigo Xororó:

— A ideia de voltar surgiu pela saudade de cantar, de trabalhar e de tomar “umas” juntos (risos)!