Música

Tropkillaz fala sobre sucesso de 'Bola Rebola' e faz estreia no Carnaval de Salvador

Eles vão tocar juntos com Major Lazer e Àttooxxá no sábado de folia (2), no circuito Barra/Ondina.

Guinho Santos (guinho.santos@redebahia.com.br)

Lançado há apenas seis dias, 'Bola Rebola' já ultrapassou a marca de 20 milhões de visualizações. Responsável pela música, o Tropkillaz trouxe na canção uma parceria já feita antes com Anitta e MC Zaac, em 'Vai Malandra'. Desta vez, o grupo convidou uma estrela internacional para deixar o trabalho ainda mais especial: o cantor J Balvin.

Em entrevista ao iBahia, os DJs e produtores André Laudz e Zé Gonzales, responsáveis pelo Trop, falaram sobre a ideia de colocar o colombiano no projeto. "J Balvin foi um grande acréscimo. Ele é muito talentoso, um artista de peso", explicou Laudz.

Zé, por sua vez, pontuou o sucesso que o hit tem feito desde seu lançamento: "Nós não colocamos pressão no nosso som. Fazemos porque é o que a gente ama mesmo. Mas estamos recebendo feedbacks muito positivos e isso é demais". O Trop, por sinal, vai fazer parte do Carnaval de Salvador neste ano. Eles vão tocar juntos com Major Lazer e Àttooxxá no sábado de folia (2), no circuito Barra/Ondina. Confira entrevista completa:

Foto: Paul Pex

Qual foi motivo para ter escolhido Salvador para gravar o clipe e, justamente, na comunidade da Gamboa?

Zegon: Salvador é demais. Adoramos visitar a cidade. Ela tem uma brasilidade e uma mescla de movimentos culturais que eu acredito ser a cara dos artistas que participam desse trabalho. 

Laudz: Gamboa de Baixo é um lugar que traz tudo isso também, entende? Nós nos identificamos com essa fusão de elementos, que se encaixa perfeitamente no nosso som. 

E como surgiu a parceria com J Balvin neste projeto?

Zegon: J Balvin entrou no projeto por meio da Anitta, que fez o convite, e contamos com o apoio da nossa gravadora. Música tem uma linguagem universal e nós já tínhamos essa ideia de fazer uma que contemplasse diferentes idiomas. 

Laudz: J Balvin foi um grande acréscimo. Ele é muito talentoso, um artista de peso. 

O hit traz trechos em português, inglês e espanhol. Seria uma nova aposta do funk?

Zegon: A música não tem uma batida apenas de funk, mas sim um mix de ritmos variados. Apostamos muito nessa mistura. 

Laudz: A canção traz um pluralidade de línguas, de culturas e de ritmos. É uma grande mistura!

A ideia seria levar justamente para outros países?

Zegon: Acredito que essa mistura de batidas e as três línguas diferentes contribuam para isso. Esse som é multicultural e tem potencial para atingir diversos lugares. 

Laudz: Estamos sim divulgando a música mundialmente e só hoje ela já entrou nas principais playlists de mais de 30 países nas plataformas de streaming.

Foto: Ricardo Muniz

O clipe já era muito aguardado antes mesmo de seu lançamento. Qual expectativa para esse hit, depois do estouro que foi “Vai Malandra”, e que já ultrapassou 20 milhões de views em menos de uma semana?

Zegon: Nós não colocamos pressão no nosso som. Fazemos porque é o que a gente ama mesmo. Mas estamos recebendo feedbacks muito positivos e isso é demais.

Laudz:  Só temos artistas talentosos ao nosso lado. Mc Zaac, Anitta e J Balvin são referências.  Que bom que o pessoal está curtindo!