Música

Vintage Culture: o brasileiro de nome gringo é destaque nacional

Novo número 1 do país, o produtor tem uma legião de fãs, uma marca de roupas e um festival itinerante

Do blog Trancenda *
- Atualizada em

Estreando em terras soteropolitanas este mês, o festival Só Track Boa vai trazer para o Alto do Andu, na Paralela, muito mais do que as 12 horas programadas de house music. Os admiradores da música eletrônica nacional terão a chance de curtir uma apresentação em formato long set do dj número 1 do Brasil atualmente: Vintage Culture.

Para quem não conhece, o nome gringo pode enganar: Vintage Culture é brasileiro até o último fio de cabelo. Este foi apenas o nome escolhido pelo sul-mato-grossensse Lukas Ruiz para seu projeto, nascido em 2013. Com uma ascensão quase meteórica em apenas quatro anos de carreira, o jovem de 23 anos é hoje um dos produtores brasileiros do gênero house music mais conhecidos do país. 

Vintage Culture: carreira meteórica até o topo da música eletrônica 

Fenômeno

A legião de fãs e admiradores do artista, que já soma 1 milhão no Instagram e mais de 2 milhões no Facebook, o segue pelo país principalmente atrás do seu festival próprio, o Só Track Boa. A festa, aliás, é apenas um dos produtos do artista. Lukas também é dono de uma marca de roupas que leva o nome da label, tem um clube próprio em São Paulo, o Air Rooftop, e é residente de uma das maiores casas de festas do mundo, o Green Valley, de Santa Catarina. 


(Fotos: Reprodução/Instagram)

Em junho de 2015, Vintage Culture realizou sua primeira tour internacional, passando por países como Egito, Emirados Árabes, Turquia, Irlanda, Espanha e Bélgica. Em 2017, o dj ultrapassou o brazilian bass do goiano Alok e se tornou o número 1 do Brasil, eleito pela revista House Mag. 

Já em 2016, o dj apareceu em 54º lugar na lista de Top 100 DJs da publicação britânica DJ Mag, referência no mundo inteiro. E a votação deste ano, já aberta, conta com uma intensa campanha dos fãs do brasileiro nas redes sociais.  

Música  

O estilo musical do "carinha das tracks boas" é descrito como uma infusão de Big Room com Deep House, gênero que domina as festas e baladas do Brasil cada vez mais. Suas influências vêm dos anos 80, e seus primeiros sucessos a ficarem conhecidos foram remixes de canções como 'Blue Monday', do New Order e 'Another brick in the wall', de Pink Floyd. A sua versão de 'Bete Balanço', do lendário Cazuza, também é uma das campeãs de acessos no YouTube. 

Atualmente, o produtor tem em seus hits atuais, 'Hollywood'(música que ganhou seu primeiro videoclipe da carreira) e 'Wild Kidz' sua principal aposta. A recém-lançada 'Why Don't You Love' também merece nota. Ouça abaixo: 

Visitando Salvador novamente com a STB, Vintage promete agitar a pista de dança com mais de 3 horas de música. Além do anfitrião, os projetos Chemical Surf, Fabrício Peçanha, RDT, Rodrigo Bouzon e Matheus Silveira vs Moika também terão apresentações na festa. Confira as informações e saiba onde comprar ingressos aqui. 


*Conteúdo originalmente publicado no blog Trancenda