Dia dos Namorados

Paixão: saiba desvendar os sintomas e lidar com o sentimento

Em artigo, especialista dá dicas para os apaixonados de como se relacionar de forma saudável e natural

Redação iBahia
10/05/2016 às 16h36

3 min de leitura
Quando estamos apaixonados nosso cotidiano muda, tudo fica mais leve, o coração bate mais rápido, os olhos brilham, perdemos a fome e o mundo de repente se torna um lugar melhor para se viver. Estes sintomas ocorrem devido a uma reação química, em que o cérebro produz em grande quantidade dopamina e norepinefrina. A psicóloga do Hospital e Maternidade São Cristóvão, Susi Andrade explica a sensação da paixão. “Normalmente uma pessoa apaixonada fica em um estado parecido com o quadro de ansiedade, chegando a apresentar taquicardia, sudorese, tremores, ‘cabeça-vazia’, ausência de apetite entre outros”.

Apaixonados chegam a apresentar o mesmo nível de ansiedade de um paciente
que sofre de Transtorno Obsessivo Compulsivo

Uma pesquisa realizada pela Universidade de Pisa, na Itália, identificou que uma pessoa apaixonada e um paciente que sofre de Transtorno Obsessivo Compulsivo – TOC apresentam o mesmo nível de ansiedade. “Ambos os quadros apresentam um nível baixo de serotonina, substância responsável pelo bem-estar. Desta forma há um aumento do nível de estresse e ansiedade”, esclarece a psicóloga.

De acordo com a especialista, a ansiedade de querer ver o parceiro, unido à insegurança do início de uma relação, ocasiona a famosa sensação de “borboletas no estômago”. “É aquela impressão de que tem algo se movimentando dentro de sua barriga, ou ainda uma impressão de saciedade mesmo sem ter comido. Trata-se de uma resposta fisiológica que condiz com o estado de paixão”, afirma. A profissional ainda explica que é natural que neste estado boa parte da atenção e concentração seja desviada para pensamentos constantes no ser amado e por isso os mais próximos costumam comentar que os mesmos estão com a “‘cabeça nas nuvens’.

— É preciso haver um equilíbrio para que o apaixonado não torne o parceiro sua fonte única de emoções.

Para quem sente dificuldade de ficar longe de quem ama, a psicóloga orienta. “É importante lembrar que o início de uma relação deve ser algo saudável e natural. Dedicar alguns minutos do dia para conversar, trocar mensagens com a pessoa amada, sem comprometer outras atividades do dia-a-dia”, recomenda. É preciso haver um equilíbrio para que o apaixonado não torne o parceiro como fonte única de emoções, sobrecarregando-o com atenção em demasia ou eventuais cobranças, é importante saber dividir os momentos para que a sua vida, seu trabalho, família e amigos sejam preservados.