Futebol

Após ex-presidente da CBF, CPI do Futebol vai ouvir pai de Neymar

Família do jogador têm sido alvo de represálias do fisco espanhol, e também da Justiça brasileira

Redação iBahia
17/05/2016 às 11h08

2 min de leitura
Tentando resolver os casos de corrupção vinculados na Fifa, a CPI da Máfia do Futebol pretende ouvir nesta terça-feira, Neymar dos Santos, pai de Neymar Jr., jogador do Barcelona.  Depois da aprovação do requerimento para a CPI ir a Nova York colher os depoimentos de José Maria Marin, que cumpre prisão domiciliar, e J. Hawilla, também radicado nos Estados Unidos, os organizadores da comissão receberão o pai de Neymar e o presidente da Conmebol. Responsável por gerir parte da carreira do filho, e também dar as ordens na N&N – empresa que cuida da imagem do craque, o pai de Neymar, deve esclarecer questões contratuais da época da venda ao Barcelona, no ano de 2013.

Há cerca de um ano Neymar e sua família têm sido alvo de represálias do fisco espanhol, e também da Justiça brasileira, que chegou a penhorar alguns bens do craque em sinal de retaliação pelas irregularidades fiscais.
O jogador também é alvo de um processo movido pela DIS, grupo de investidores que detinha 40% de seu passe à época da negociação entre Santos e Barça. Os empresários, no entanto, admitem que os R$ 17,1 milhões repassados não correspondem, de forma integral, à porcentagem que lhes é de direito.

Conmebol

Em processo de reestruturação, após a extradição de Eugenio Figueiredo aos Estados Unidos, a Conembol estará representada na CPI da Máfia do Futebol pelo presidente recém-empossado, Alejandro Domínguez.

O novo mandatário, recebeu no último mês a visita do presidente da Fifa, Gianni Infantino, e vai tratar sobre as questões contratuais vinculadas às empresas, que despertaram as investigações movidas pela Justiça norte-americana desde maio de 2015.